Antônio Pereira

19 de março de 2020

Coronavírus: todo mundo quer se proteger, mas não quer pagar o preço do isolamento

Como vou treinar se minha academia fechar. Com quem vai ficar meus filhos com o cancelamento das aulas. Posso trabalhar em casa?. Tudo fechado, mas meu patrão me obriga a ir ao emprego, apesar dos riscos. Todas essas questões estão martelando na cabeça de dos brasileiros nos últimos temos. As vezes o egocentrismo de cada um pode atrapalhar em momentos como este que estamos vivendo. Não adianta você ser dispensado do trabalho e passar o dia inteiro na praia ou andando pelo shopping. O isolamento é a melhor arma contra a propagação do vírus. Todas as pessoas que possam têm que ficar em casa. Programe como será seu isolamento. Isso pode ser determinante para o tempo que vai durar essa pandemia. Quanto mais cedo os brasileiros tomarem medidas restritivas, mas cedo sairemos dessa crise.

Sabemos atualmente que o coronavírus é uma doença mortal, podendo matar ou deixar sequelas. Grupos de risco incluem idosos com mais de 60 anos e pessoas com doenças graves ou mesmo hipertensos e diabéticos, mas qualquer um de nós está sujeito a contrair a doença. Não existe nenhuma pessoa imune. Todos correm perigo.

Uma das poucas coisas que podemos fazer para conter o avanço do vírus é nos isolarmos. Isso inclui escolas fechadas, restaurantes, bares, academias. O trabalho de cada um é o que está pegando nestes tempos de pandemia. Todos sabemos que o isolamento é a melhor arma, as como fica a nossa subsistência, como pagaremos nossas contas, comida e outras coisas da vida?.

A situação não é simples. Cabe aos governos abrirem os cofres e injetarem recursos para a manutenção daqueles que não poderão faturar durante o isolamento. Fala-se em um tipo de bolsa no valor de R$ 200 para vendedores ambulantes e informais de modo geral. Ainda é pouco o que vem sendo anunciado pelo governo Bolsonaro. O ministro da Economia, Paulo Guedes ainda foi irônico com um toque sarcásticos e até desumano ao afirmar que ‘até agora só morreram cinco mil pessoas’, isso não é muito para o ministro, que correu para dizer que o governo vai desembolsar bilhões de reais para socorrer bancos, sim bancos. Eis o tamanho do nosso problema.

O governo Bolsonaro dá mostrar cabais de que não tem a menor condição de administrar o país durante essa pandemia. Jair Bolsonaro, o presidente, já disse que pretende fazer uma festa de aniversário para ele e sua esposa na paradísiaca ilha de Fernando de Noronha. Pasmem. O presidente, que não consegue afixar uma máscara no rosto, se diz mais preocupado com uma festinha de aniversário do que a maior crise dos tempos modernos.

Economias do mundo todo em retratação, bolsas de valores às quedas, incerteza por toda parte e o governo brasileiro?. Até agora não fez nada de concreto. Nem mesmo providenciou a tempo uma quantidade suficiente de exames para detectar o vírus. Não temos leitos nos hospitais preparados. Estamos em um navio sem rumo, sem comandante navegando ao esmo em mares revoltos.

O que será de nós??