Gagliasso lembrou que antes das eleições presidenciais, Giovanna Ewbank, sua esposa, lhe pedia para que se não fizesse mais pronunciamentos por política. Ela temia retaliações.

“Durante meses, a Giovanna implorava para eu não falar nada sobre política porque ela não aguentava mais os ataques dessa gente imunda. E, agora, eles estão no poder”, escreveu.

Bruno comenta sobre as fake news que foram publicadas a seu respeito nas redes sociais: “Recebi um e-mail de uma senhora que era minha fã há anos pedindo que deixasse de apoiar a pedofilia”.

“Passamos meses tentando entender o que estava acontecendo, sendo difamados. Postaram fotos minhas com meu amigo de mais 18 anos dizendo que ele era meu namorado e a Gio era ‘fachada’ para esconder a pederastia”, completou.

Por conta de denúncias da existência de grupos empresariais e políticos ligados à família Bolsonaro comandando redes de disseminação de notícias falsas, está em curso uma investigação na Justiça, onde vários apoiadores do presidente já foram identificados como responsáveis por estas postagens difamatórias.

O ator Bruno Gagliasso é apenas mais um que ousa falar abertamente contra essa onda direitista que se atua no Brasil antes da eleição do presidente Jair Bolsonaro e agora durante seu governo. Há também suspeitas de que dinheiro público, convertidos em forma de verba publicitária, esteja enchendo os bolsos dos ‘donos’ de site e canais do youtube de propagação de notícias falsas, as chamadas fake news.

*Com informações da Istoe e uol