Sérgio Toledo

13 de abril de 2020

A segunda pandemia. O medo.

Vou citar trechos de uma entrevista do Professor de Ciências Sociais da Unesp de Bauru São Paulo, dada ao JVC Net Claudio Bertolli Filho. Usarei aspas nas suas citações.
Ele fala na sua entrevista sobre uma segunda pandemia ligada a primeira do coronavírus a qual denomina, pandemia do medo.
” O medo exerce um papel tão devastador quanto a doença em si, afinal, leva a irracionalidade.”
Escutei de um médico ortopedista, recentemente, num grupo de Whats App que gostaria que os contrários ao uso da cloroquina pegassem a doença covid 19 para ver se não iriam tomar a medicação!
“A mídia está comparando a pandemia da gripe espanhola com a do coronavírus porque aquela foi o primeiro surto coberto pela imprensa.”
Realmente o que a mídia principalmente a televisiva está se desdobrando para fazer a cobertura em tempo real e com informações repetidas é algo que mete medo. Tenho passado várias horas do dia na minha quarentena sem ver os noticiários. Procuro ver algo divertido e engraçado ou ouço canais de música.
“Quando tenho medo namoro com a irracionalidade. Por isso entram Deus, diabo, até mesmo um inimigo comum como os comunistas, os pobres, ou os chineses, no caso do coronavírus.”
O citado ortopedista quando fala no vírus diz o vírus comunista! E chega ao cúmulo de não querer ler ou seguir as orientações do Conselho Federal de Medicina!
” A pandemia tem a função de jogar na nossa cara dois pontos essenciais: as desigualdades, além das limitações do saber e da prática médica.”
A medicina é uma ciência inexata e viva. Está sempre em mudança. Cada vez que aprendemos algo vemos que menos sabemos!