Antônio Pereira

10 de março de 2020

Viralatismo de Bolsonaro com Trump envergonha até cadela no cio

O que faz o presidente de um país soberano dizendo ao presidente de um país colonialista ‘eu te amo’?. Jair Bolsonaro ultrapassa em muitos e muitos anos o que se considera atualmente como viralatismo tupiniquim. Suas falas para com o presidente americano Donald Trump são, no mínimo, envergonhante, dado o grau máximo de puxasaquismo exalado em cada encontro e já são quatro. Em um deles, o do ‘eu te amo’, nosso presidente ficou quase duas horas atrás de uma porta esperando o presidente dos EUA passar. O ‘encontro’ durou pouco mais de 20 segundos, num aperto de mãos irrelevante.

Enquanto isso, a política brasileira em nível mundial virou piada em todas as rodas de diplomatas. Com um chanceler sintonizado com as idéias do astrólogo Olavo de Carvalho, considerado o guru da família Bolsonaro, o Brasil retrocedeu ao tempo de quando era colônia, abaixando as calças para todos os estrangeiros.

A soberania nacional está indo para as cucuias com o governo Bolsonaro. Agora mesmo ele já torou mais de U$ 40 bilhões das reservas deixadas pelos governos Lula e Dilma. Bolsonaro terá que torrar ainda mais recursos nacionais para diminuir o aumento da desvalorização do real perante moedas estrangeiras, notadamente ao dólar, que já é negociado acima dos cinco reais.

O sonho de uma nação soberana, dos tempos em que o presidente americano chamava nosso presidente de ‘o cara’, a uma república bananeira de quinta categoria está cada vez mais distante. Bolsonaro e sua trupe de entreguistas juramentados, além de incompetentes, está a vender o Brasil, suas riquezas e reservas cambiais como se estivéssemos em um grande camelódromo ou em um programa de auditório comandado pelo Sílvio Santos com faixa presidencial.

Sim meus amigos e minhas amigas, o Brasil envergonha todo e qualquer cidadão ou cidadã que sonha com um país sério.

Lamentável, mas é verdade.