Blog do Dresch

25 de dezembro de 2018

A milionária obra de Proust

A edição original de “Du côté de chez Swann” (No Caminho de Swann), de Marcel Proust, foi leiloada na última sexta-feira por 1,51 milhão de euros, um recorde mundial para uma obra original em francês. Este exemplar raro do primeiro volume de “Em Busca do Tempo Perdido”, estava avaliado entre 600 mil a 800 mil euros, da biblioteca do colecionador Pierre Bergé. Até então o recorde mundial de uma obra original em francês era “As Flores do Mal” de Charles Baudelaire, vendido por 775 mil euros.

Obra de 1,51 milhão de euros 2

Além da obra prima de Proust outros livros da coleção de Bergé também foram leiloados. Uma das primeiras traduções em francês de “Vidas Paralelas” de Plutarco, muito apreciado na época do Renascimento foi vendido por 671.780 euros. Trata-se de um manuscrito em pergaminho ilustrado com 54 pinturas de página inteira.

Noruega faz doação

O Fundo Amazônia vai receber do governo da Noruega uma doação de US$ 70 milhões, segundo o Ministério do Meio Ambiente, pelo fato do Brasil ter conseguido reduzir as emissões de carbono com a queda do desmatamento na Amazônia. A Noruega é o maior doador do Fundo, criado em 2008 para apoiar iniciativas que incentivam a redução do desmatamento e o uso sustentável dos recursos naturais do bioma para benefício das populações que vivem na região. No ano passado, o governo norueguês doou US$ 41,8 milhões ao Fundo, porque o Brasil os índices de desmatamento na região caíram apenas 12%. Ainda segundo o Ministério, o apoio da Noruega possibilitou o aumento no controle do desmatamento ilegal na Amazônia, como extração ilegal e madeira e mineração de ouro. A pasta informou também que a redução do desmatamento nos anos anteriores evitou a emissão de mais de 4,5 bilhões de toneladas de dióxido de carbono.

Redução da mortalidade

Um trabalho da Consultoria MacroPlan, mostrou que o estado de Alagoas conseguiu uma redução importante na mortalidade infantil. Alagoas saltou da 25ª posição em 2006 (com 21,5 óbitos por mil nascidos vivos) para a 18ª posição (com 14,3 óbitos) em 2016. Essa redução, como avalia o governador Renan Filho, é resultado de programas e projetos implantados no Estado como alimentação adequada para gestantes e nutrizes, os cuidados com a Primeira Infância e inúmeras ações na área da saúde e da assistência social.

O movimento do décimo

Um levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostrou que o décimo terceiro salário deve injetar mais de R$ 211,2 bilhões na economia brasileira neste fim de ano. Cerca de 48,1 milhões de trabalhadores do mercado formal devem receber o salário extra. O volume representa 57,8% dos 83,3 milhões de trabalhadores que devem receber o abono extra, incluindo empregados domésticos, aposentados e pensionistas do INSS e da União além de servidores públicos em geral.

O movimento do décimo 2

Já em Alagoas, a liberação do décimo-terceiro salário deve injetar cerca de R$ 1,75 bilhão na economia alagoana. Desse total, aproximadamente R$ 807 milhões, devem ser gastos no comércio e serviços de Alagoas. Uma pesquisa feita pela Fecomércio-AL, revelou que apenas 8,5% dos consumidores gastarão o décimo em compras. Outros 32% vão aproveitar e pagar dívidas com o abono e 24% vão utilizar para despesas de início de ano.

O calor se aproxima

Com o início do verão, Alagoas começa a se preparar para enfrentar um aumento considerável das temperaturas. Segundo a Sala de Alerta da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, a temperatura em algumas cidades do sertão pode chegar a 40ºC. Na região litorânea, os termômetros podem marcar 33ºC, enquanto que na Zona da Mata e no Agreste o calor pode bater 37ºC.

 

 

  • As exportações do agronegócio atingiram US$ 100,10 bilhões entre dezembro de 2017 a novembro de 2018. O aumento ocorreu em função do incremento da quantidade exportada (+5,3%).
  • O recorde para o período ocorreu entre dezembro de 2012 e novembro de 2013, quando o Brasil exportou US$ 100,70 bilhões em produtos do agronegócio.
  • A participação do setor nas exportações totais brasileiras registrou 42,1%, uma redução de 1,9% em relação ao período anterior que foi de 44%.
  • As exportações do agro, em novembro, atingiram US$ 8,37 bilhões, uma alta de 18,3%. Em relação aos produtos exportados no mês passado destacam-se os recordes da soja em grãos, café verde, celulose, papel, carne bovina in natura e algodão.
  • A soja em grão alcançou valor e volume recorde para todos os meses de novembro, com 5,07 milhões de toneladas (+136,6%), num total de US$ 2 bilhões (+145,7%).