Política

3 de junho de 2020 16:02

Prefeito de Maceió destaca medidas para enfrentamento da crise

Gestor ressaltou, em entrevistas, empenho do Município diante da pandemia

↑ Rui Palmeira fala das novas medidas no combate à Covid-19 (Foto: Pei Fon / Secom Maceió)

Além da prorrogação até o dia 12 de junho das medidas de isolamento, a Prefeitura de Maceió tem investido em unidades de saúde para atendimento de casos suspeitos do novo coronavírus e buscado alternativas para equilibrar as finanças da administração municipal. Em entrevista, na manhã desta quarta-feira (03) para as Rádios Nova Brasil e Difusora AM, o prefeito Rui Palmeira destacou as a medidas adotadas pela gestão no enfrentamento da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

O gestor destacou que Maceió já conta com quatro unidades de triagem de síndromes gripais: Walter Moura Lima, localizada no bairro Santa Amélia, Jorge Duarte Quintela, no Conjunto Graciliano Ramos, Unidade Maria da Conceição Fonseca Paranhos, em Jacarecica, e Unidade Novo Mundo. As unidades são destinadas para atender pacientes com sintomas gripais leves, como febre, dor de cabeça, tosse, dor no corpo e dor de garganta. Nestes locais, é possível fazer o teste rápido para a Covid-19 – caso atenda aos critérios – e ser encaminhado para fazer exames de imagens. “Estamos trabalhando para que seja oferecido atendimento antes de as pessoas precisarem de internação hospitalar”, ressaltou Rui.

No que diz respeito às medidas econômicas, o gestor ressaltou a parceria com o Governo do Estado para tomar decisões de forma harmoniosa. “Temos um grupo de trabalho pensando nas questões referentes à reabertura econômica para alguns setores. Mas sabemos que tudo depende do controle do vírus e da diminuição da ocupação dos leitos de UTI. Estamos discutindo isso de forma prudente para que não seja feita uma reabertura inicial e logo depois a gente tenha que voltar atrás. Estamos dialogando com os diferentes setores, mas sempre nos baseando nos dados técnicos disponíveis referentes a curva de infecção”, pontuou o prefeito.

Segundo o gestor, equilibrar as contas públicas diante deste cenário tem sido um desafio. “Maceió foi a primeira capital a suspender os pagamentos de tributos municipais, alongando os prazos do IPTU, ISS e taxas . Nós sabíamos que as pessoas não teriam recursos para realizar estes pagamentos, por isso estendemos os prazos e agora tomamos outra medida excepcional, que é o programa para quem tem débitos com o Município”, disse.

A proposta é zerar a incidência de juros, multas e atualização monetária, assim como reduzir o valor principal do débito tributário de todos os contribuintes maceioenses, inclusive quem estiver em Dívida Ativa, ajuizado ou a ajuizar, originários de todos os tributos municipais e infrações à legislação aplicável. “Esta é uma medida extrema que nunca tomamos antes. Mas entendemos que estamos vivendo um período bastante complicado para todos nós, tanto para o contribuinte, quanto para a gestão pública que vê sua receita caindo, já que boa parte dela depende muito da arrecadação de impostos sobre bens e serviços. Esta é uma tentativa de captar mais recursos e manter o pagamento da folha em dia, manter os serviços essenciais nas ruas e conseguir recompor parte das perdas de receita que estamos tendo este ano”, afirmou Rui.

O prefeito disse ainda que a liberação da primeira parcela da ajuda emergencial aos estados e municípios deve ser liberada em breve, mas que o valor que será recebido não cobrirá as perdas de arrecadação do Município. ” Foi sancionada a ajuda emergencial e a primeira parcela deve entrar no próximo dia 9, esta é a previsão da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). Os estados e municípios não podem ter ação judicial contra a união, Maceió não tem e já fizemos a declaração ao Ministério da Economia. Esperamos realmente que esta primeira parcela chegue logo (o recurso vai ser dividido em quatro vezes). Com certeza vai ajudar muito a nossa cidade a manter os pagamentos em dia, mas infelizmente o valor que vamos receber não vai cobrir a totalidade das perdas que estamos tendo”, pontuou

O gestor reforçou ainda a importância da população evitar aglomerações, só sair de casa em casos de extrema necessidade e seguir as recomendações dos órgãos de Saúde. “A experiência de outros países tem mostrado que a melhor forma de combater a Covid-19 é o isolamento. Nos lugares onde a quarentena foi respeitada, as coisas já estão voltando ao normal, as pessoas estão retomando suas vidas. Infelizmente o que estamos vendo no Brasil é que o respeito ao isolamento não ultrapassa os 50% e assim o vírus vai circulando cada vez mais e isso dificulta o controle. A fiscalização está nas ruas, mas não conseguimos estar em todos os lugares a todo tempo, por isso precisamos do apoio da população para passar por este momento”, frisou.

Fonte: Secom Maceió / Texto: Letícia Pascoalino

Comentários

MAIS NO TH