Política

3 de dezembro de 2019 08:04

Em busca de vaga na Câmara Municipal, Gustavo Pessoa se filia ao PT

Candidato a prefeito de Maceió e a deputado estadual nas últimas eleições, professor deixou os quadros do PSOL

↑ Gustavo Pessoa (Foto: Sandro Lima/arquivo)

Gustavo Pessoa, candidato a prefeito de Maceió em 2016 pelo PSOL, trocou de legenda no último sábado (30) e ingressou no PT durante a posse dos novos diretórios estadual e municipal de Maceió do partido de Lula.

Professor, em 2016, Gustavo Pessoa era o presidente estadual do PSOL e conquistou 12.924 votos, mais que o deputado federal Paulão (PT), cuja votação foi de 10.267, mesmo com tempo de tevê e recursos menores que o parlamentar. Em 2018, ele disputou uma vaga na Assembleia Legislativa Estadual e obteve 5.074 votos. Agora, o ex-psolista deve buscar uma cadeira na Câmara Municipal de Maceió.

“Obviamente, eu considero a possibilidade de lançar meu nome numa candidatura a vereador em Maceió. Na última eleição eu tive mais de 4 mil votos na capital, o que, de certa forma, me permite aspirar um mandato na Câmara Municipal e fortalecer a chapa do PT, e exercer um mandato popular se esse for o desejo do eleitor de Maceió”, diz Gustavo Pessoa.

Ele nega ter tido qualquer atrito com os membros do PSOL e que a troca se deu por escolha pessoal, para encarar um novo desafio.

“Minha decisão foi pessoal, que já vinha amadurecendo há algum tempo. Ela passa pela necessidade de viver um novo desafio na minha vida política. Sigo no mesmo campo, é importante registrar isso, que eu não fui para a direita. Vou para um partido do campo progressista, o maior partido da América Latina, e defender as mesmas bandeiras que defendi no PSOL. Pela justiça social, distribuição de renda, luta por liberdade, a defesa dos movimentos sociais, defesa dos direitos humanos. Tudo que fazia no PSOL, vou fazer no PT”, afirma. “Saio do PSOL deixando grandes amigos e com a certeza de que o partido já dá, e ainda pode dar uma enorme contribuição ao campo progressista em Alagoas e no Brasil. Vejo o PSOL como um partido que já tem um passado e tem presente e futuro. Entendo que o partido tem grandes quadros, como o Basile, a Lu Araújo, o Izac – que já presidiu a CUT em Alagoas –, o Sidney, também dirigente sindical, Eliane Silva, do MTST. É um partido com grandes quadros e tem uma história muito bonita”, completa o professor.

REELEITOS
No último sábado, o PT deu posse aos diretórios estadual e o municipal de Maceió, cujos presidentes foram reeleitos na eleição interna do partido. Ricardo Barbosa segue no comando estadual da legenda e Marcelo Nascimento na capital. Ambos são da tendência Construindo um Novo Brasil (CNB), a mesma de Lula, José Dirceu e Paulão.

PSOL/AL segue construindo congresso, diz nova presidente

Mesmo admitindo que a saída de Gustavo Pessoa para o PT mexeu com alguns militantes do PSOL, a nova presidente da legenda, Marcela Carnaúba, reforça que o partido segue o que já estava nos planos: construir seu congresso para só depois focar nas eleições de 2020, além de dar mais foco ao interior do estado.

“Estamos em processo de congresso e de formação de diretórios, que vai ocorrer entre março e maio, quando será o nacional. A primeira etapa, que já vínhamos nos organizando, é fazer as plenárias nos municípios. Isso está mantido. Daí, a questão eleitoral ficará para o próximo ano”, relata Marcela Carnaúba. “O Gustavo não vinha articulando pouco no interior do estado, daí vamos retomar alguns contatos”, completa.

Ela garante não ter ficado nenhuma rusga com o ex-presidente estadual da legenda após sua filiação ao Partido dos Trabalhadores.

“Obviamente mexe um pouco com alguns militantes, gera questionamentos, mas foi uma decisão íntima e pessoal dele. Segundo ele, não teve nada a ver com a questão política do PSOL, mas de individualidade dele. Soubemos da saída na sexta-feira [29], na reunião do Fortalecer o PSOL [tendência interna], no mesmo dia ele entregou uma carta ao diretório municipal de Maceió. Assumi porque, de acordo com o estatuto do partido, quem indica os membros – e seus substitutos – são as chapas”, diz Marcela Carnaúba.

A nova presidente do PSOL em Alagoas não ocupava nenhum cargo na diretoria do partido, mas, de acordo com ela, ajudava na organização partidária.
“Já vinha ajudando, internamente, nas questões burocráticas do partido, mesmo não sendo da direção partidária. Estava apenas na direção do Fortalecer em Alagoas”, relata Marcela Carnaúba. “Vamos nos reunir com as outras forças internas do PSOL para explicar o que aconteceu [saída de Gustavo Pessoa]. Não ficou nenhum problema com ele. Foi tranquilo, mas nos pegou de surpresa”, comenta.

Algo que deve facilitar o trabalho junto a diretório e filiados do interior de Alagoas é o fato de Marcela Carnaúba residir em Palmeira dos Índios.

Fonte: Carlos Amaral / Tribuna Independente

Comentários

MAIS NO TH