Política

24 de outubro de 2019 08:24

ALE cobra providências de Jair Bolsonaro sobre manchas de óleo

Carta endereçada ao presidente da República apresenta sugestões para reduzir os problemas causados pelo óleo nas praias alagoanas

↑ Davi Maia já havia chamado atenção nos primeiros casos de Piaçabuçu e Coruripe, Litoral Sul do estado (Foto: Ascom/ALE)

Após as cobranças da bancada federal alagoana, foi a vez de os deputados estaduais enviarem uma carta – via Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) –, endereçada ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), apresentando sugestões para dirimir as manchas de óleo que surgiram no litoral nordestino, atingindo também as praias alagoanas.

A carta foi entregue ao presidente da ALE, deputado Marcelo Victor (SD) que, junto aos presidentes das Assembleias Legislativas dos outros oito estados do Nordeste, ficará responsável por entregar o documento ao presidente da República.

Entre os pontos apresentados na carta como sugestões e recomendações estão o auxílio financeiro para os municípios atingidos pelo desastre ambiental, a aquisição de Equipamentos de Proteção Individuais (EPI’s) para os voluntários; treinamento e qualificação de voluntários e colaboradores; aquisição de equipamentos tecnológicos; criação de um plano de monitoramento e resultados; incentivo à pesquisa; impactos a longo prazo; centralização de informações; e comunicação entre estados.

Os parlamentares debateram a situação esta semana em audiência pública. Presidente da Comissão do Meio Ambiente na ALE, o deputado Davi Maia (DEM) disse à Tribuna que antes de a audiência pública, o parlamento já tinha feito uma reunião extraordinária, logo quando as manchas apareceram em Piaçabuçu e Coruripe.

“Naquela ocasião a gente já enviou cartas para todos os deputados federais e senadores contando a história e pedindo auxílio. Enviamos requerimentos para o governador. Agora, foram os presidentes das nove Assembleias do Nordeste que se reuniram já que os governadores não se unem mesmo tendo esse consórcio formalizado para conversar com o governo federal”.

Davi ressaltou ainda que a situação ainda está protocolar. Ele se mostrou preocupado com as despesas dos municípios que tiveram suas praias atingidas pelas manchas.

“Existe um grupo de trabalho onde está presente o governo federal através da Marinha, Ibama e ICMBio, o governo do estado através da secretaria do Meio Ambiente, do IMA e da Ressocialização, além das prefeituras. Mas ainda é muito incipiente. Essas despesas são altas para municípios como Japaratinga e Piaçabuçu. Estou preocupado com a situação do monitoramento. Nós não temos ainda uma avaliação de danos e nem o que aconteceu com o mangue, com os corais, não existe isso por escrito”.

Inácio Loiola diz que presidente é insensível à causa ambiental

 

Vice-presidente da Comissão, o deputado Inácio Loiola (PDT) disse que o presidente Jair Bolsonaro é insensível às questões ambientais. Ele destacou ainda que a bancada estadual vem tendo um empenho maior que a dos deputados federais em relação a esta situação.

Inácio Loiola ressaltou que a bancada estadual tem feito um trabalho maior que a bancada federal (Foto: Ascom/ALE)

“Ele [Bolsonaro] pouco está ligando para essa maior tragédia ambiental da história do Nordeste. Em relação à bancada federal e estadual acho que houve um empenho mais da bancada estadual. A bancada estadual de Alagoas tem dado uma demonstração de preocupação não só com essa mancha de petróleo que vem atingindo todo o litoral do Nordeste, mas com todos os problemas de Alagoas. Todos os deputados estão antenados a todas essas questões e em particular a essa questão do óleo nas praias. Nós temos tomado nossa posição, temos promovido audiências públicas”.

Líder da bancada alagoana na Câmara dos Deputados, Marx Beltrão (PSD) usou a tribuna do parlamento para criticar a visita que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles fez a Alagoas na semana passada. Ele disse que o trabalho do Ministério com relação as manchas de óleo que apareceram nas praias é ineficiente e inoperante.  Marx lembrou ainda que enviou recentemente um requerimento para o Ministério do Meio Ambiente, mas não obteve resposta até agora.

“O ministro esteve no meu estado, em Alagoas, e não anunciou nenhuma medida para limpeza, para apontar os responsáveis e punir aqueles que fizeram tamanho desastre para o meio ambiente. A gente, enquanto parlamentar, está acompanhando. Mandei requerimento cobrando informações ao Ministério do Meio Ambiente e – sequer – tivemos uma resposta.  Vimos o ministro ir em Alagoas, eu acho, fazer turismo e apenas passear por nossas belas praias. Não anunciou nenhuma medida”, disse Beltrão.

Marx cobrou também mais agilidade na apuração das origens e na indicação dos culpados, mesmo se levando em conta a complexidade na investigação sobre o desastre ambiental que está causando prejuízos incalculáveis no litoral de Alagoas e praticamente de todo o Nordeste.

O deputado Arthur Lira (PP) usou seu Twitter para criticar o governo federal.  Ele disse que “o governo ainda não acordou para as ações que de fato mitigam os efeitos desse desastre de grande proporção no nosso litoral”.

Fonte: Tribuna Independente / Carlos Victor Costa

Comentários

MAIS NO TH