Política

16 de maio de 2019 11:31

Acossado, Jair Bolsonaro fala em traição de Queiroz

Deputados aliados dizem que o presidente ainda não entendeu a gravidade do caso

↑ Jair Bolsonaro tem dito a aliados que as investigações não irão ‘achar nada’ contra o filho Flávio e começa a apontar o dedo para o ex-assessor Fabrício Queiroz (Fotos: Reprodução)

Acossado pela quebra de sigilo de seus assessores e pelas suspeitas do Ministério Público que agora se estendem à primeira-dama, Jair Bolsonaro (PSL) tem dito a aliados que as investigações não irão “achar nada” contra o filho Flávio Bolsonaro (PSL) e começa a apontar o dedo para o ex-assessor Fabrício Queiroz. A palavra “traição” já escapa aqui e ali; deputados aliados a Bolsonaro dizem que o presidente ainda não entendeu a gravidade do caso que começa a ameaçar seu governo.

Para Bolsonaro, Queiroz tem atuado para prejudicar a sua família.

Nesta semana, a Justiça determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal de Flávio e de Queiroz, além de outras pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de “rachadinha” na época em que Flávio ocupava uma cadeira na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A situação,porém pode chegar até mesmo ao Palácio do Planalto, uma vez que o Ministério Público também suspeita que a versão de Jair Bolsonaro sobre os cheques de  Queiroz depositados na conta da primeira-dama Michelle parece ser falsa.

Segundo a jornalista Daniela Lima, da coluna Painel, “pessoas próximas a Bolsonaro enfatizam que ele se distanciou do ex-policial que levou o clã para o centro de investigação sobre desvio de salários e ligações com milicianos. Dizem que ele não tem contato com Queiroz e que hoje especula se o ex-amigo não atua para prejudicar sua família”.

Fonte: Brasil 247

Comentários