Política

14 de maio de 2019 08:45

Renan Filho defende Braskem operando em área não habitada

Governador defende criar condições para empresa seguir atuando em Alagoas, desde que com garantias à segurança da população

↑ Governador Renan Filho (Foto: Sandro Lima)

O governador Renan Filho (MDB) defendeu a criação de condições para que a Braskem não encerre definitivamente suas atividades em Alagoas. Durante entrevista coletiva, realizada ontem (13), ele adianta que todos os setores do Governo do Estado irão buscar meios junto à empresa para mantê-la operando.

“Vamos discutir com a Braskem. A área do desenvolvimento econômico vai discutir a manutenção do funcionamento da empresa, a manutenção de emprego; a área do meio-ambiente vai preservar o direito do cidadão, que é ter segurança nos bairros onde a Braskem opera”, adianta o governador.

A Braskem paralisou a exploração de sal-gema e de fábricas de cloro-soda e dicloretano em Maceió na última quinta-feira (9) em decorrência da divulgação do laudo da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), no último dia 8, que aponta a empresa como responsável pelas rachaduras e afundamentos dos bairros Pinheiro, Bebedouro e Mutange.

Contudo, o governador garante que tais condições para a manutenção do funcionamento da empresa em Alagoas não será desprovida de cuidados em relação à segurança da população.

“Esse vai ser um amplo diálogo que, com transparência, todo mundo vai acompanhar. E eu vou, prioritariamente, defender as vidas, não vamos permitir que ocorra aqui o que ocorreu em Mariana, Brumadinho [Minas Gerais, explosões de barragens da Vale]”, afirma. “A partir daí, vamos criar as condições econômicas para que a Braskem continue sua exploração, desde que não seja em área urbana. Pelo que fui informado previamente, há espaços para que a empresa opere em áreas não urbanas”, completa Renan Filho.

IMPACTO

Ainda de acordo com Renan Filho, o impacto econômico da paralisação das atividades da Braskem, anunciadas no último dia 9, ainda não está sendo avaliado pelo governo por não ser definitiva.

“O Estado ainda não tem avaliado isso, a Braskem não paralisou completamente suas atividades. Ela vai descontinuar a atividade de cloro-soda que é a que diretamente depende a sal-gema”, resume o governador.

A Braskem conta com 32 unidades fabris, sendo 29 no Brasil e três no exterior e seu faturamento em 2018 foi de cerca de R$ 60 bilhões. Estima-se que seu peso no Produto Interno Bruto (PIB) de Alagoas seja de 20%. Em 2016, o IBGE apontou o PIB alagoano em R$ 49,9 bilhões. Assim sendo, o faturamento da empresa no estado é de carca de R$ 9,98 bi.

O PIB de Maceió, em 2016, foi de cerca de R$ 20 bilhões. Sendo assim, a empresa representa quase 50% do produzido na capital alagoana. O ano de 2016 é o último dado divulgado pelo IBGE sobre os PIBs de Alagoas e de Maceió. Esta informação foi publicada pela Tribuna na edição de 10 de maio. Procurada, a Sefaz não especificou o peso da empresa na arrecadação de ICMS.

Fonte: Tribuna Independente / Carlos Amaral

Comentários

MAIS NO TH