Polícia

15 de junho de 2019 16:40

‘Ataque’ de motociclistas durante manifestação em Maceió pode ter sido premeditado

Jornalista atropelada e arrastada foi à Central de Flagrantes fazer um B.O.

↑ A jornalista Fátima Almeida (à esquerda) fez o boletim de ocorrência acompanhada de Valdice Gomes (ao centro) e Izaías Barbosa (à direita) (Foto: Cortesia ao Tribuna Hoje)

A jornalista Fátima Almeida, que foi atropelada por um motociclista nesta sexta-feira (14) enquanto participava de um protesto no bairro do Farol, em Maceió, foi à Central de Flagrantes neste sábado (15) relatar o ocorrido às autoridades policiais e fazer um boletim de ocorrência (B.O.) sobre o caso. Fátima foi ao local acompanhada do presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal), Izaías Barbosa, e da vice-presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Valdice Gomes.

“Contamos ao delegado toda a história, fizemos o boletim de ocorrência e Fátima foi encaminhada ao Instituto de Medicina Legal [IML] para fazer o exame de corpo de delito. Tudo foi relatado e, inclusive, nós temos não apenas fotos, mas também vídeo que mostra que os motoqueiros envolvidos no atropelamento estavam acompanhando a manifestação desde a concentração do ato na Praça do Centenário. Então, pode ter sido algo premeditado, arquitetado”, disse Izaías Barbosa.

Fátima Almeida também falou à reportagem da Tribuna e contou que, no caso, já há testemunhas que se prontificaram a dar depoimentos. “Deixei alguns contatos de testemunhas e o caso foi adiante. Acho importante que seja levada adiante essa ocorrência por causa do comportamento criminoso das pessoas que agiram dessa maneira. Isso não pode ficar impune. A gravidade maior disso aí está justamente nesse comportamento que poderia ter causado vítimas mais graves ou poderia ter matado alguém”, afirmou a jornalista.

Caso

A jornalista e ex-presidente do Sindjornal Fátima Almeida foi atropelada por um motociclista durante a manifestação pacífica, em Maceió, contra a reforma da Previdência e a favor da greve geral nesta sexta. Segundo a jornalista, os manifestantes estavam passando nas proximidades do prédio da Embratel, descendo a Ladeira dos Martírios, no bairro do Farol, quando aconteceu o incidente. “Foram três motoqueiros. Eles cruzaram a via, aceleraram e colocaram os veículos para cima dos manifestantes. Nisso, um deles me atropelou. Fui até um pouco arrastada. Machuquei o braço, os dedos. Estou com o corpo dolorido, mas estou bem. Não foi um acidente, foi de propósito”, contou Fátima.

“Essa intolerância, esse ódio que se tem em parte da sociedade não pode ser aceito pelas autoridades. Em uma manifestação pacífica, onde as pessoas têm todo direito de participar, ninguém pode ser atingido dessa forma”, afirmou a vice-presidente da Fenaj, Valdice Gomes.

Fonte: Texto: Rívison Batista

Comentários

MAIS NO TH