Polícia

13 de setembro de 2018 11:37

Seminário sobre Homicídios no Nordeste reúne pesquisadores na Ufal

“Homicídio é a forma mais clara como se explicita a barbárie”, disse a reitora Valéria Correia

↑ Tema da violência é muito caro à universidade (Foto: Sandro Lima)

Preocupados com o fenômeno do crescimento de homicídios no Nordeste nos últimos 20 anos, pesquisadores do Laboratório de Estudos da Segurança Pública, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), realizam hoje (13) e amanhã (14) o seminário “Homicídios no Nordeste: Casualidades, políticas públicas e perspectivas”. O evento acontece no Auditório Nabuco Lopes, na reitoria da Ufal.

Com financiamento da Fapeal e apoio da Unit, a programação reúne pesquisadores do Nordeste e até de outras regiões do país para refletir sobre a realidade da segurança pública no Nordeste. “Nos últimos 20 anos acompanhamos um declínio no número de homicídios no Sudeste, enquanto o nordeste apresenta crescimento”, disse Emerson do Nascimento, do Instituto de Ciências Sociais da Ufal, um dos organizadores. Ele também ressaltou o papel da academia nessa questão. “A universidade tem tradição de pesquisa e reflexão sobre o tema da violência”, disse ele.

Aberto ao público geral, o evento atraiu a comunidade estudantil e também apresentou uma procura alta das forças policiais. Segundo a organização, a proposta é levar esses pesquisadores a pensar com ousadia e originalidade as diretrizes para enfrentamento desses índices.

Valéria Correia, reitora da Ufal, explicou porque a violência merece a atenção da Universidade. “O homicídio é a forma como se explicita de forma mais clara a barbárie. É no Nordeste que estão as maiores desigualdades. Apesar de terem havido investimentos recentes, ainda temos índices alarmantes. A violência está relacionada à desigualdade e à falta de políticas públicas para rebatê-la”.

Serão duas conferências, uma de abertura e uma de encerramento, e quatro mesas redondas. A reitora destacou presenças como a do Ouvidor de Polícia do Estado de São Paulo, Benedito Domingos Mariano, e agradeceu a parceria do Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas, e da Universidade Tiradentes.

Fonte: Tribuna Hoje / Emanuelle Vanderlei

Comentários

MAIS NO TH