Economia

7 de julho de 2020 11:33

Após milhões em prejuízos, hotelaria se prepara para reabertura

Atividades recomeçam a partir do dia 15 de julho

↑ Hotelaria em Maragogi espera reabertura(Divulgação)

Mais de 100 dias fechados, prejuízos de mais de 20 milhões de reais, segundo os próprios hoteleiros, dezenas de demissões, dificuldades enormes de se conseguir ajuda financeira prometida em bancos privados ou federais, toda a cadeia produtiva do turismo desativada e obstáculos gigantescos para a chamada nova abertura em consequência da pandemia do novo coronavírus. Essa é a dura realidade de todo o trade turístico da Costa dos Corais em Alagoas, que mesmo diante desses desafios, se move na direção de uma reabertura ainda no mês de julho.

Dos mais de 180 meios de hospedagens da região, entre hotéis e pousadas, muitos dos quais nem fecharam, e outros que irão abrir somente em setembro, como o Salinas Maragogi e outros resorts, a maioria começa a se movimentar, aliados, sobretudo, à decisão da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira de Alagoas, (ABIH), que emitiu nota, semana passada, que a maioria de seus 80 associados, grande parte deles localizados em Maceió, recomeçam suas atividades a partir do dia 15 de julho.

Essas iniciativas têm motivado a hotelaria da Costa dos Corais, sobretudo, da Rota Ecológica dos Milagres, onde boa parte das pousadas de charme, ou já estão abertas ou se preparam para abrir.

Em Paripueira, por exemplo, das cinco pousadas, pelo menos duas já estão abertas. A mais conhecida, a Villa dos Corais, só abre no dia 1º de agosto, juntamente com o receptivo Mar & Cia, na praia de Costa Brava e o Hibiscus Beach Club, em Ipioca, pertencentes ao mesmo grupo empresarial. Na Barra de Santo Antônio, que também possui 5 pousadas, na Ilha da Croa, todas fechadas, com previsão de abertura até o dia 20 de julho, enquanto se adequam a uma nova realidade.

No primeiro município da Rota Ecológica, o Passo de Camaragibe, suas 8 pousadas também se preparam para abrir, como a Infinito Mar, na praia do Marceneiro e o Cambará, único hotel fazenda da região, que abre suas portas ao turista no dia 1º de agosto. Em São Miguel dos Milagres, das suas 34 pousadas, já estão abertas a Don Robledo, Villas Taturé, Pousada do Toque e Villa Pantai. Em atividades para abrir até dia 10 de julho a Pousada Amendoeira, Recanto dos Milagres, Riacho dos Milagres e o Hotel Angá, em Porto da Rua.

Em Porto de Pedras, de suas 22 pousadas, a maioria na Praia do Patacho, a ordem é limpeza e adequação dos protocolos de higiene e segurança, medidas já adotadas por todas as outras pousadas já abertas. Em Japaratinga, com 23 meios de hospedagem, inclusive um dos mais antigos hotéis da região, o Bitingui, na praia de mesmo nome, muitos estão funcionando, como a Pousada Paraíso dos Coqueirais, que já tem inclusive o Selo Turismo Responsável, após estabelecer o manual de boas práticas.

Já em Maragogi, principal polo turístico da região, com mais de 80 empreendimentos hoteleiros, o foco na retomada das atividades é no bem-estar de clientes e colaboradores, até porque muitos hotéis e pousadas implantaram rígidos protocolos sanitários.

Muitos desses estabelecimentos já requisitaram ao Ministério do Turismo o Selo Turismo Responsável, Limpo e Seguro, que é um programa que estabelece boas práticas de higienização para cada segmento do setor. Alguns já contam com a certificação, um incentivo para que os consumidores se sintam seguros ao viajar e frequentar locais que cumpram normas específicas de prevenção da Covid-19. Um bom exemplo é o do hotel Praia Dourada, que retomou as atividades na quarta-feira (01), mas apenas com 80 apartamentos, metade de sua capacidade instalada.

Fonte: Tribuna Hoje l Texto: Claudio Bulgarelli – Sucursal Região Norte

Comentários

MAIS NO TH