Economia

14 de fevereiro de 2020 00:30

Coronavírus volta a assustar e Ibovespa recua; Suzano sobe

Giro financeiro da sessão somou 21,58 bilhões de reais

↑ Foto: Divulgação

O Ibovespa recuou nesta quinta-feira, após duas altas seguidas, com notícias sobre o coronavírus voltando a minar o sentimento de investidores. A ação da Suzano foi destaque positivo após resultado trimestral e perspectivas agradarem investidores.

Índice de referência da bolsa brasileira, o Ibovespa caiu 0,87%, a 115.662,40 pontos. O giro financeiro da sessão somou 21,58 bilhões de reais.

A queda veio após o Ibovespa acumular ganho de 3,65% nos últimos dois pregões.

Uma revisão no método de diagnóstico do coronavírus, que fez disparar a contagem de mortes e casos na China, aumentou a aversão a risco, na esteira de fortes perdas também em outras praças acionárias no exterior.

“O vírus parece ser muito mais contagioso do que se sabia antes”, avaliou o analista Jasper Lawler, chefe de pesquisa do London Capital, explicando que a percepção de risco de pandemia, que poderia causar pânico nos mercados aumentou ligeiramente.

Ele ponderou, contudo, que, se essa nova metodologia significa que os métodos de detecção melhoraram e se o aumento no número de casos é um evento único, um movimento maior de venda nos mercados pode ser evitado.

Wall Street também mostrou fraqueza, com o Dow Jones em queda de 0,43% e o S&P 500 recuando 0,16%.

DESTAQUES

– VALE ON caiu 1,75%, contaminada pelo viés negativo no exterior, apesar da alta dos preços do minério de ferro na China. No setor de mineração e siderurgia, CSN subiu 0,08% e Gerdau PN recuou 0,47%.

– USIMINAS PNA avançou 4,97%, descolando do setor, com o resultado do quarto trimestre previsto para a sexta-feira, antes da abertura. O Safra, contudo, espera outro trimestre difícil, com compressão de margem na base trimestral.

– BANCO DO BRASIL ON recuou 1,55%, após resultado do quarto trimestre, com alta de 20% no lucro recorrente ante mesmo período de 2018. O presidente do banco disse que o retorno sobre o patrimônio (ROE) deve ficar acima de 18% neste ano. No setor, BRADESCO PN e ITAÚ UNIBANCO PN perderam 1,92% e 1,55%, respectivamente

– BTG PACTUAL UNIT subiu 2,58%, destoando dos demais bancos, também tendo no horizonte o balanço do quarto trimestre, na sexta-feira, antes da abertura. O Goldman Sachs estima que o BTG deve manter a tendência positiva, com números fortes em todos os segmentos de negócios. Investidores, segundo eles, estarão focados em entender a perspectiva de crescimento e a estratégia de potencial expansão do BTG digital.

– PETROBRAS PN e PETROBRAS ON caíram 1,36% e 1,9%, respectivamente, refletindo maior aversão a risco, descolando da alta do preço do petróleo no exterior.

– RUMO ON recuou 2,62%, entre as maiores quedas, antes de balanço previsto para após o fechamento do mercado.

– SUZANO avançou 3,25%, mesmo após divulgar queda no lucro líquido do quarto trimestre, para 1,175 bilhão de reais, resultado em linha com o esperado. A empresa atualizou projeções sobre sinergias com a Fibria e avaliou que o mercado de celulose está perto do ponto em que os preços vão começar a se recuperar. Também disse que manterá a estratégia de redução de estoques de celulose neste ano.

Fonte: Reuters

Comentários

MAIS NO TH