Cidades

26 de fevereiro de 2020 17:15

FGTS: validação de endereços da área verde escura do bairro do Pinheiro termina dia 6

Ao todo, 1.334 imóveis do bairro do Pinheiro foram identificados dentro da área verde escura no Mapa de Setorização de Danos

↑ Bairro do Pinheiro (Foto: Marco Antonio / Secom Maceió)

Os moradores do bairro do Pinheiro que estão inseridos na área verde escura do Mapa de Setorização de Danos e de Linhas de Ações Prioritárias podem conferir os endereços aptos para a habilitação ao saque do FGTS, previsto em decisão judicial. A Coordenadoria Especial Municipal de Proteção e Defesa Civil (Compdec) informa que o prazo para validação de endereços que porventura não estiverem na relação divulgada na lista provisória encerra no dia 6 de março.

Ao todo, 1.334 imóveis do bairro do Pinheiro foram identificados dentro da área verde escura no Mapa de Setorização de Danos, área prevista na decisão judicial em decorrência de uma Ação Civil Pública. A decisão prevê que os trabalhadores que residem nestes endereços e tenham saldo positivo no FGTS podem fazer o saque limitado a R$ 6.220 por conta vinculada.

Confira aqui a lista provisória da área verde escura do bairro do Pinheiro.

Caso o endereço do interessado seja no bairro do Pinheiro, esteja inserido na área verde escura do Mapa de Setorização de Danos e não conste na relação provisória, a pessoa precisa procurar a Defesa Civil de Maceió – localizada na Rua Cônego João Barros Pinho, 107, no bairro do Pinheiro – até o dia 28 de fevereiro e solicitar a validação do endereço. O procedimento consiste em uma verificação em campo e posterior encaminhamento da lista final de endereços para a Caixa Econômica. O atendimento é realizado de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h.

A lista provisória de endereços da área verde escura do Mapa de Setorização aptos à habilitação ao saque do FGTS foi encaminhada no dia 31 de janeiro à Caixa Econômica, após solicitação da instituição financeira, que decidiu iniciar o atendimento antes da conclusão da lista definitiva.

Fonte: Ascom Derfesa Civil / Texto: Flávia Duarte

Comentários

MAIS NO TH