Cidades

20 de setembro de 2019 08:53

42% dos diretores dizem ter presenciado violência de alunos contra professores

Os dados são do Anuário Nacional da Segurança Pública, divulgado este mês

↑ Episódios de violência envolvendo alunos são realidade para 68% dos diretores de escolas em Alagoas (Foto: Agência Brasil / Arquivo)

Episódios de violência envolvendo alunos são realidade para 68% dos diretores de unidades escolares pesquisadas em Alagoas. Além disso, 42% afirmam ter presenciado situação de violência entre alunos e professores/funcionários de escola. Os dados são do Anuário Nacional da Segurança Pública, divulgado este mês.

Os episódios vão desde agressões físicas a verbais contra diretores e funcionários, e também contra outros alunos. O dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação em Alagoas (Sinteal), Lucas Soares reforça que a violência tornou-se fato “corriqueiro” no ambiente escolar.

“Não deveria ser, mas é algo corriqueiro. Infelizmente o contexto social que a educação pública está inserida acaba direcionando para um aspecto da violência. A construção familiar muitas vezes acaba sendo interpelada pela condição social, e por tabela pelo meio social que a criança está inserida acaba refletindo na escola. Várias vezes é o reflexo do meio que a criança e adolescente vive. São agressões físicas, verbais, ameaças, depredação de patrimônio particular. Ouvimos relatos de professores que têm os pneus dos carros furados, carros arranhados, são vários tipos de agressões, além das verbais que os professores sofrem. Inclusive a intimidação diária”, diz Soares.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Professores das Escolas Particulares de Alagoas (Sinpro), Eduardo Vasconcelos a realidade, nos estabelecimentos particulares a violência existe, mas na maioria das vezes é praticada de forma silenciosa.

“Na rede privada geralmente a violência é velada, é psicológica. Acontecem em alguns momentos algumas ações, por exemplo, nesses tempos de polarização ideológica já recebemos casos de alunos filmando professores, colocando em redes sociais, tirando foto. Na verdade, querendo ou não é uma agressão, porque está usando indevidamente a imagem do professor e dando sentido ideológico a algo quando na verdade não é, é uma interpretação subjetiva do aluno. No Palácio há um decreto com parecer favorável da Seduc, aguardando apenas a aprovação do governador sobre isso, sobre o uso de aparelhos eletrônicos, direito de imagem”, destaca.

Em relação à violência entre alunos, Eduardo afirma que é comum que professores “apartem” briga de alunos durante o horário escolar.

“Entre alunos é muito comum, eu particularmente já tive que separar brigas entre alunos. Essa questão da deturpação dos valores que vêm da família é muito complicado. Porque algumas famílias “terceirizam” e cobram o professor de várias formas como professor, psicólogo… suprindo uma demanda que seria das famílias”, pontua.

De acordo com Lucas Soares, o cenário das escolas públicas se diferencia. A violência “velada” descrita como presente nos estabelecimentos particulares, muitas vezes, é substituída por agressões físicas e até depredação de patrimônio dos trabalhadores da educação.

“No caso da escola pública, que é bem diferente da escola privada a violência não é velada, ela é real. São crianças que agridem professores fisicamente, e o mais comum é a agressão verbal, a agressão psíquica”, relata Soares.

Segundo Lucas, o Sinteal trabalha dando suporte aos profissionais vítimas de violência no ambiente escolar.

“O Sinteal tem um coletivo de segurança do trabalhador que faz visitas periódicas às escolas, então é uma política nossa tentar diminuir a incidência desse problema nas escolas. Tentamos acompanhar todos os casos inclusive com acompanhamento jurídico, mas na verdade isso é uma responsabilidade do governo. A política pública é o grande elemento, é o elemento que falta muitas vezes. Porque às vezes se tem uma escola muito bonita, mas ao redor não há segurança nenhuma” avalia o dirigente do Sinteal.

Fonte: Tribuna Independente / Evellyn Pimentel

Comentários

MAIS NO TH