Brasil

23 de junho de 2019 09:05

Filhos de Flordelis pagaram R$ 8 mil por arma usada para matar pastor

Segundo investigadores, Lucas teria comprado a pistola para Flávio, que assumiu ter disparado seis vezes contra o padrasto, o pastor Anderson do Carmo no último domingo (16) em Niterói, Região Metropolitana do Rio

↑ 6h59 - Lucas, de camisa preta, e Flávio, de camisa azul, conversam perto de casa (Foto: Reprodução/TV Globo)

A arma usada para matar o pastor Anderson do Carmo, marido da deputada Flordelis, custou R$ 8 mil, segundo investigadores da Polícia Civil. De acordo com os policiais, a pistola foi comprada pelo filho adotivo Lucas, dois dias antes do assassinato, no último domingo (16), em Niterói, Região Metropolitana do Rio.

A investigação apontou que Lucas deu R$ 3 mil e o irmão Flávio, que confessou ter atirado no pastor, pagou os R$ 5 mil restantes.

Lucas negou e disse que apenas indicou onde comprar a arma sem saber para que seria usada.

Os dois cumprem prisão temporária de 30 dias por homicídio qualificado. Flávio, de 38 anos, é filho biológico de Flordelis e foi preso durante o enterro do pastor. Ele já tinha um mandado de prisão por violência doméstica.

A Polícia agora quer saber se Flávio foi o único a disparar. Ele afirmou ter dado seis tiros no padrasto. O corpo do pastor, no entanto, tinha 30 perfurações, segundo a perícia feita no IML. Lucas não estava na casa no momento do crime.

Flordelis presta depoimento

A deputada federal Flordelis disse que irá à Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG) para prestar depoimento sobre a morte do pastor Anderson do Carmo nesta segunda-feira (24). Segundo a Polícia, ela é uma das investigadas pelo crime.

“Embora, como parlamentar, a deputada tenha a prerrogativa de escolher o dia e o local do depoimento, ela decidiu aceitar o convite nos termos formulados pela polícia, porque tem o interesse de colaborar com as investigações”, esclareceu, por meio de nota, a assessoria de Flordelis.

De acordo com a assessoria, a deputada prestará esclarecimentos como testemunha da morte do marido. Na sexta (21), a delegada Bárbara Lomba disse que todas as pessoas que estavam na residência da família na hora do crime são consideradas suspeitas e serão ouvidas.

Fonte: G1

Comentários

MAIS NO TH