Saúde

27 de Abril de 2018 08:32

Alagoas já registra onze casos de H1N1 este ano

Até o momento, nenhuma morte pela doença foi confirmada; dos casos notificados, oito foram registrados em Maceió

↑ Na capital, vacinas estão disponíveis em unidades de saúde e postos fixos em shoppings da capital (Foto: Adailson Calheiros)

Até o momento já foram registrados 11 casos de influenza H1N1 em Alagoas. No entanto, nenhum dos casos chegou a óbito, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). Do total de notificações, oito foram na capital. Em 2017, no estado, foram 10 casos confirmados com três mortes.

No geral segundo dados da Sesau, a Gripe H1N1 já matou 13 pessoas em dois anos em Alagoas. Em 2016 foram confirmadas 10 mortes. Nesse período foram registrados 62 casos da doença, 52 em 2016 e 10 em 2017.

Segundo o infectologista Fernando Maia, a gripe é uma doença viral, que acomete principalmente as vias aéreas, e que pode causar quadros graves, principalmente em idosos e imunodeprimidos. “Os principais sintomas são febre, tosse, dor de cabeça e, nos casos graves, pneumonia com insuficiência respiratória e risco de morte. Qualquer vírus da gripe seja H1N1 ou a gripe comum pode fazer formas graves e óbitos. Os casos graves ocorrem principalmente em idosos, crianças e pessoas debilitadas.”

O infectologista ressalta que apesar do vírus H1N1 não ser uma epidemia no estado é preciso tomar a vacina anualmente. Ele explica também que a vacina não protege contra as viroses respiratórias.  “A vacina protege apenas contra o vírus da Influenza A, B e da H1N1 que são vírus da gripe. Os demais são resfriados. Virose pode ser qualquer infecção viral. A vacina é usada contra esses vírus da gripe que provocam os casos mais graves, evoluindo até para pneumonia que ela protege. O vírus comum não é capaz de evoluir para quadro graves”, explica o especialista, alertando que a vacina precisa ser repetida anualmente para que as pessoas estejam protegidas contra o vírus.

O Brasil é um dos poucos países a oferecer, desde 1999, a vacina gratuitamente, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo o Ministério da Saúde, em 2017, foram registrados 394 casos e 66 óbitos por influenza no país. Desse total, 25 casos e sete mortes foram pelo vírus H1N1; 224 casos e 30 óbitos por H3N2; 81 casos e 24 óbitos por influenza B; e 44 casos e cinco mortes por influenza A não subtipada.

Em 2018, até 14 de abril, foram registrados 392 casos de influenza em todo o país, com 62 óbitos, sendo 190 casos e 33 óbitos por H1N1; 93 casos e 15 óbitos por H3N2; 62 casos e 6 óbitos por influenza B e 47 casos e 8 óbitos por influenza A não subtipado.

Sesau diz que procura por vacina está dentro do esperado

 

A procura pela vacinação que começou na última segunda-feira (23) e vai até o dia 1º de junho em todo o Brasil está dentro do esperado em Alagoas, segundo informações da Sesau. O órgão esclarece que a partir da semana que vem os municípios irão iniciar a digitação dos dados no Sistema do Programa Nacional de Imunização e será possível mensurar com mais propriedade como está à procura de fato.  A meta é imunizar 787.908 alagoanos até o último dia da campanha.

Na capital alagoana a procura também está dentro da normalidade e de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), ‘por enquanto, nada além do esperado. As procuras nos postos de vacinação estão sem filas’.

Em Maceió, vai ser possível se vacinar nas 65 unidades de saúde que possuem sala de vacina, no Sistema Prisional e no local onde estiver à equipe móvel de vacinação, de segunda a sexta-feira. As vacinas também estarão disponíveis em postos fixos. São eles: Maceió Shopping (Mangabeiras), Shopping Pátio Maceió (Benedito Bentes) e Parque Shopping Maceió (Cruz das Almas), das 10h às 21h. A loja Carajás Home Center, no Tabuleiro, também será um posto de vacinação, das 8h às 20h.

O dia D da Campanha de Vacinação contra a Influenza está marcado para o sábado, 12 de maio. A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS) em Maceió é de 226.740 pessoas imunizadas. As vacinas são recebidas por cotas de demandas. Até agora foram disponibilizadas duas cotas com 66.820 doses no total para a capital. Nos municípios do interior de Alagoas, as vacinas estão disponíveis nos postos de saúde.

PRIORITÁRIOS

A campanha visa proteger as pessoas dos grupos prioritários contra os três subtipos vírus da gripe: Influenza B, H1N1 e H3N2. O público-alvo preconizado pelo MS são pessoas a partir 60 anos de idade; crianças de seis meses e menores de cinco anos de idade; gestantes em qualquer idade gestacional; povos indígenas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; a população privada de liberdade e os funcionários do Sistema Prisional. Também fazem parte do grupo e precisam apresentar documentação para comprovar a sua condição as puérperas até 45 dias após o parto; trabalhadores da saúde; professores das escolas públicas e privadas; os portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

As secretarias informam que se o público-alvo não comparecer ao período de campanha e o número de imunizados não for alcançado, poderá ocorrer de a vacina ser oferecida a outros grupos. Por enquanto, não tem nada programado para acontecer.

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França

Comentários

MAIS NO TH