Saúde

6 de setembro de 2019 09:04

Números de casos de ISTs crescem a cada ano em Alagoas

Especialista alerta que preservativo é a forma mais segura de evitar doenças sexualmente transmissíveis

↑ Preservativo ainda é a forma mais eficiente de se prevenir contras as infecções sexualmente transmissíveis (Foto: Ascom/Sesau)

O “Dia do Sexo” é comemorado nesta sexta-feira (6). Nesta data alusiva, a reportagem da Tribuna Independente traz um alerta sobre o aumento no número de casos de Infecções Sexualmente Transmissível (ISTs) no estado.

Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), nos últimos três anos, Alagoas registra 3.608 pessoas com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Aids/HIV. Sendo em 389  casos em 2016, 441 em 2017 e 444 em 2018. Já infectados com HIV foram: 665 em 2016, 836 em 2017 e no ano passado foram 873 diagnósticos. Os diagnósticos das doenças cresceram progressivamente.

Os números ainda são mais surpreendentes quando se trata dos casos de sífilis que vêm aumentando ano a ano. Em 2016 foram registrados 317 casos nos órgãos de saúde, 347 em 2017 e, em 2018, saltou para 445 só de Sífilis Congênita. Ou seja, são 1.109 confirmados nos últimos três anos.

A Sífilis em gestantes também registra crescimento quando comparado 2018 aos anos anteriores. Contabilizados 408 casos em 2016, 628 em 2017 e 1.053  em 2018.

Nos casos de Sífilis Adquirida, a situação também não é diferente, foram confirmados pela Sesau 273 em 2016, 484 em 2017 e 561 no ano passado. Ainda segundo os dados divulgados pela Tribuna Independente, no dia 11 de abril deste ano, só nos primeiros meses de 2019 já foram 104 casos da doença. As informações foram de um levantamento da Sesau.

DIAGNÓSTICO

O Sistema único de Saúde (SUS) disponibiliza o Teste Rápido (TR) de sífilis. Segundo a Sesau, é um exame prático e de fácil execução, com leitura do resultado em, no máximo, 30 minutos. Esta é a principal forma de diagnóstico da sífilis. Quando a sífilis é detectada na gestante, o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível, com a penicilina benzatina.

O infectologista Fernando Maia explica as formas de contagio da doença e os perigos. “A sífilis é transmitida principalmente por sexo desprotegido e da mãe para o filho pela placenta ou durante o parto. As formas desta doença são primária (lesão genital conhecida como cancro duro), secundária (roséola sifilítica), terciária (lesão cardíaca, goma sifilítica na pele ou meningovascular), latente (sem sintomas) ou congênita (da mãe para o filho). Os sintomas acometem indistintamente homens e mulheres. No entanto, nas mulheres existe o perigo da transmissão vertical da mãe para o filho”, esclarece apontando que o uso de preservativo é a forma mais segura de evitar adquirir não só a sífilis mais demais doenças sexualmente transmissíveis.

DIA DO SEXO

A data é celebrada desde 2008, quando uma fabricante de preservativos desenvolveu uma ação de marketing para promover o dia ao calendário oficial. O movimento caiu nas graças do público e agora é lembrado anualmente. Apesar de ainda não constar oficialmente como uma data comemorativa no Brasil, a ideia já se disseminou pelas redes sociais somando milhares de simpatizantes.

O assunto ainda traz constrangimentos às pessoas, mas se perguntado em conversas entre amigos todos são unânimes em dizer que sexo é bom. E a atividade além de prazerosa, também pode ter efeitos positivos para o corpo e a mente. Mas, como tudo, há um lado negativo. Se feito sem proteção, o praticante pode adquirir IST’s.

E se alguém ainda se pergunta o porquê da escolha da data de hoje. A resposta é bem simples, o dia foi escolhido justamente pensando nos algarismo seis e nove. A explicação é que juntos os números também dão nome a uma das mais famosas posições do ato sexual, o 6/9, em que o parceiro faz sexo oral no outro simultaneamente. Inclusive a posição é uma das listadas no famoso livro Kama Sutra.

Sesau tem serviços assistenciais para pacientes nos 102 municípios

 

A coordenadora do programa de combate às IST’s, Sheila dos Anjos, conta que a Sesau disponibiliza três serviços para os pacientes. “Temos três serviços de assistência aos pacientes HIV/Aids na capital. Um em Arapiraca para os pacientes que residem lá e outro, em Palmeira dos Índios, que atende aos pacientes da região’’.

Sheila dos Anjos destaca ações educativas e preventivas realizadas pela Sesau (Foto: Ascom)

Segundo Anjos, todos os núcleos realizam testagem rápida, trabalho educativo – promoção e prevenção as IST/Aids com distribuição de preservativos, exames complementares e entrega dos antirretrovirais entre outros medicamentos para infecções oportunistas. “O trabalho de promoção e prevenção, oferta de testagem rápida e distribuição dos insumos de prevenção também. É realizado pelos 102 municípios, pela Atenção Básica’’.

CAMISINHAS

Ainda como ações de prevenção, a técnica do Programa Estadual IST/Aids da Sesau, Catarina Castro, informa que existe o programa de distribuição de preservativos por meio de totens com pontos de entrega de preservativos do programa “Pegue aqui sua camisinha: Não vacile com a Aids”.  Em Maceió, existem seis totens disponíveis. Eles estão no Shopping Maceió, Shopping Miramar, Shopping Pátio, Terminal Rodoviário, Mercado do Artesanato e Pavilhão do Artesanato. Já Arapiraca conta com apenas um totem.

Este ano, o total de 1.108.800 unidades de preservativos já foram oferecidos à população nos totens de Maceió e em Arapiraca. No ano de 2018 foram distribuídos de forma regular 6.780.000 preservativos para os 102 municípios alagoanos e, em 2019, até o dia 31 de agosto, foram distribuídos 4.600.000 unidades de preservativos.

“O Programa Estadual de IST/Aids e Hepatites virais da Sesau participa de ações  em comunidades e grotas de Maceió  com a  Tenda da Saúde e ‘Fique Sabendo: Faça aqui seu teste rápido’, nas Universidades, nos shoppings,  Orla de Maceió, parcerias com as ONGs, oferecendo testes rápidos para HIV, Sífilis e Hepatite B e C, palestras educativas sobre prevenção às ISTs e distribuição de preservativos e gel lubrificantes’’, lembra Castro.

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França

Comentários

MAIS NO TH