Saúde

10 de Abril de 2018 20:52

Casos confirmados de sarampo em RR chegam a 59

Secretaria informou que, entre os 45 casos da doença entre venezuelanos, 22 deles são indígenas da etnia Warao

↑ Foto: Reprodução

A Secretaria de Saúde de Roraima informou que chegam a 234 os casos notificados de sarampo no estado. Desses, 59 foram confirmados, 166 permanecem em investigação e nove foram descartados para a doença.

Entre os casos confirmados, 45 são de venezuelanos e 14 são brasileiros, sendo 46 casos em Boa Vista, 12 em Pacaraima e um em Uiramutã, todos com o mesmo genótipo identificado na Venezuela em 2017.

“Além do aumento do número de brasileiros entre os casos confirmados, mais um município – Mucajaí – passa a integrar o boletim com casos notificados, somando um total de dez municípios”, informa a secretaria.

Ainda de acordo com a pasta, Boa Vista continua sendo o município com o maior número de casos notificados (156 no total), seguido por Pacaraima, com 51 registros; Cantá, com dez; Amajari, com nove; Rorainópolis e Alto Alegre, com dois casos cada; e Caroebe, Mucajaí, São João da Baliza e Uiramutã, com um caso cada.

A secretaria informou que, entre os 45 casos da doença entre venezuelanos, 22 deles são indígenas da etnia Warao. Também foram registrados duas mortes por sarampo em crianças venezuelanas na capital Boa Vista.

Vacinação acaba hoje

A campanha de vacinação contra o sarampo, em curso no estado desde 10 de março, tem previsão de ser encerrada hoje (10).

Após essa data, municípios e estado devem se reunir para analisar os dados coletados e definir como e onde a imunização precisa continuar.

Até o momento, de acordo com a secretaria, já foram aplicadas mais de 50 mil doses da vacina que, além de imunizar contra o sarampo, protege contra a caxumba e a rubéola.

Sintomas

A secretaria alerta para que a população fique atenta a sintomas como febre e exantema (manchas avermelhadas), acompanhados de tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite. “Quando identificado um ou mais desses sintomas, a pessoa deve procurar um médico”, orientou a pasta.

Fonte: Agência Brasil

Comentários

MAIS NO TH