Política

20 de maio de 2020 19:27

Novo decreto de isolamento é publicado em Alagoas

Até o final da tarde desta quarta, Alagoas registrou 4.437 casos de Covid-19 e 250 mortes

↑ Governador Renan Filho durante a coletiva - Imagem: Reprodução

O novo decreto de isolamento em Alagoas, para ao combate à pandemia de Covid-19, estabelece novas regras para a população. Via de regra, não há grande mudanças em relação ao anterior, vencido nesta quarta-feira (20). De acordo com o Governo do Estado, nas justificativas do texto oficial, o objetivo da nova medida é “conter o rápido crescimento do número de infectados no Estado, fazendo com que a Rede de Saúde, Pública e Privada, consiga se adequar a demanda de pacientes que precisarão de atendimento médico, assim permitindo que mais vidas sejam salvas”.

Até o final da tarde desta quarta, Alagoas registrou 4.437 casos de Covid-19 e 251 mortes. A taxa de letalidade no estado é de 5,7%.

Uma das diferenças é o período de validade do novo decreto, de apenas 10 dias. Os anteriores tinham prazo de 15. Assim como os demais, fica permitido o funcionamento de estabelecimentos cujos serviços são considerados essenciais, a exemplo de supermercados e farmácias, desde que com os devidos cuidados.

Em entrevista coletiva no final da tarde desta quarta, o governador Renan Filho explica que “estamos prorrogando porque há a necessidade de o estado ter mais tempo para atender às pessoas nos hospitais e ampliar a rede”.

“Em linhas gerais, é o mesmo decreto anterior, mas vamos fiscalizar mais para o seu cumprimento, exatamente nas regiões metropolitanas de Maceió e de Arapiraca, locais onde os casos aumentaram”, ressalta Renan Filho.

Na região metropolitana de Maceió serão instaladas inspeções sanitárias. Para esta região, a Sociedade Alagoana de Infectologia recomendou o lockdown, medida não descartada pelo Governo do Estado, que prefere não adotá-la por enquanto.

Em caso de descumprimento do decreto, multas que variam entre R$ 5 mil – pessoa física – e R$ 25 mil – pessoa jurídica – poderão ser aplicadas.

FECOMÉRCIO

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio) divulgou, ainda nesta terça (19), um documento no qual pedia ao governador a não adoção do lockdown. No texto da entidade, há o apontamento de que tal medida atingiria principalmente os micro e pequenos empresários.

“Falar em paralisação total significa condená-las ao encerramento das suas atividades, o que terá por consequência uma grave onda de desemprego e desequilíbrio econômico”, afirma a Fecomércio.

A Federação também elencou uma série de ações que, em sua avaliação, permitem o funcionamento de vários setores comerciais de maneira segura em relação ao contágio por covid-19, a exemplo da distância entre pessoas – funcionários e clientes – dentro dos estabelecimentos.

Fonte: Texto: Carlos Amaral

Comentários

MAIS NO TH