Interior

26 de fevereiro de 2021 17:58

Hospital de Arapiraca desmente notícias sobre funcionária que faleceu de Covid-19

Priscila Veríssimo trabalhava como recepcionista, segundo a direção do hospital

A direção do Complexo Hospitalar Manoel André (Chama), em Arapiraca, divulgou nesta sexta-feira (26) uma nota de repúdio e esclarecimentos acerca da morte da funcionária Priscila Veríssimo, de 35 anos de idade.

A jovem faleceu na quarta-feira (24), por conta de infecção da Covid-19.

Na nota enviada à imprensa, a direção do hospital disse que Priscila Veríssimo trabalhava como recepcionista e não como enfermeira, conforme foi publicado em dezenas de sites de notícias em Alagoas e de outros estados do Brasil.

Veja a nota na íntegra:

Em indignação e repúdio às informações inverídicas, sobre a saudosa colaboradora Priscila Veríssimo, que estão sendo divulgadas pelos meios de comunicação em geral, presta os seguintes esclarecimentos:

Inicialmente, o Hospital CHAMA presta todo seu apoio e solidariedade à família da recepcionista Priscila Veríssimo, que veio a óbito por complicações do Covid-19 no dia 24 de Fevereiro, que além de suportar a perda de sua ente querida, vê sua memória maculada por notícias que não condizem com a verdade e vinculada a posicionamento político utilizada por aproveitadores.

Ao contrário do que tem sido divulgado pelos meios de comunicação, Priscila não era enfermeira, exercia a função de recepcionista e não houve qualquer ato de demissão, exerceu normalmente suas atividades até o dia 12 de Fevereiro, quando foi afastada com sintomas da doença e posteriormente veio a óbito na condição de funcionária.

Reconhecida por sua simpatia e excelência nas atividades laborativas, Priscila nunca expôs opinião ou posicionamento político em seu ambiente de trabalho, tampouco, realizou qualquer manifestação sobre a eficácia ou não da vacina contra CORONA vírus.

Assim, prestado os devidos esclarecimentos, requer que seja retirada, imediatamente, todas as notícias inverídicas dos meios de comunicações e que a imprensa emita nota de esclarecimento com pedido de desculpas pelas notícias que foram transmitidas, contaminadas de informações inverídicas, em verdadeiro desrespeito a falecida, seus familiares e a toda sociedade que merecem receber informações verdadeiras, pautadas na ética, bom senso e que respeitem a dignidade da pessoa humana.

Por fim, o CHAMA reitera o sentimento de solidariedade à família de Priscila Verissimo, ao tempo em que, lamenta profundamente as notícias veiculadas.

O corpo de Priscila Veríssimo foi sepultado nesta quinta-feira (25), no Cemitério São Francisco, em Arapiraca.

Ela deixou um filho de apenas dois anos de idade.

Fonte: Davi Salsa com assessoria

Comentários

MAIS NO TH