Cidades

1 de janeiro de 2019 15:48

Nova unidade da Casa Dom Bosco vai acolher 30 jovens do sexo feminino; assista

Padre Tito Régis destaca que local terá berçário para bebês das assistidas

↑ Imagem: Reprodução / TH Entrevista

Este ano, a Casa Dom Bosco completou 26 anos de assistência a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Assumindo um novo projeto, a instituição abrirá no próximo dia 31 de janeiro de 2019, uma unidade para acolher jovens do sexo feminino com dependência química. E o TH Entrevista dessa semana foi até a Igreja de São Miguel Arcanjo, no bairro da Colina, conversar com o Padre Tito Régis, presidente da Fundação João Paulo II – Casa Dom Bosco de Maceió sobre como irá funcionar essa nova unidade.Segundo o padre, a casa terá capacidade para 30 jovens, que poderão trazer seus filhos menores de seis meses.

“A casa é de inspiração católica que, preocupada com o avanço da dependência química no sexo feminino, decidiu abrir está unidade. Nós iremos restaurar vida aplicando o sistema preventivo de Dom Bosco, que é razão, religião e carinho, e trabalhar todo um processo de reintegração social para jovens que já estão em de-pendência, mas também outras situações de agressão social”, explica o padre Tito Régis.

Ainda de acordo com o padre, a casa funcionará em um espaço da Fundação João Paulo II e contará com a participação da Igreja católica e da sociedade civil. “Serão 30 jovens tanto da capital quanto do interior. Ela será mantida pela comunidade através de doações. A estimativa é de um público de jovens de 12 a 17 anos. No local terá um berçário para as mães que têm bebês até seis meses, ou aquelas que estiverem grávidas”.

Na unidade masculina o padre informou que tem capacidade para 60 crianças e adolescentes e são desenvolvidos atividades como educação. “O espaço tem es-cola, todos estudam, temos área de lazer, com quadra de esportes, piscinas, hortas, etc… Além disso, aprendem profissão. As meninas também terão essas vantagens e, consequentemente, te-rapias, acompanhamento psicológico e intervenção da família param assim que possível elas retornem para o convívio”.A ideia da unidade feminina surgiu pelos questionamentos das pessoas que perguntavam o porquê não tinha a unidade.“Esse público é menos desfavorecido. Não há em nosso estado muitas casas de acolhimento para as meni-nas. São poucas. Então, nós que trabalhamos há 26 anos éramos interrogados para ter a unidade feminina. Nós sensibilizamos até mesmo no princípio da espiritualidade e lançamos este projeto”, ressalta o Padre Tito.

Campanha busca benfeitores e doadores para casa das meninas

Como a casa será mantida pela doação da sociedade civil e da igreja católica, será lançado também no dia 8 de janeiro, a campanha “Um Lugar para Maria”, que buscará benfeitores e doadores para casa das meninas.

Paralelo a essa campanha, a Casa Dom Bosco também está provendo a “Busca Pela Vida”, que irá percorrer as comunidades carentes de Maceió, conscientizando sobre a dependência química e o efeitos dela. “Estamos criando um núcleo de re-presentação para que uma família que esteja em uma situação de uma jovem que precise dessa ajuda, esse núcleo fará essa ponte com a instituição”.

O Padre Tito Régis disse que qualquer pessoa que queira ajudar e que não conhece o projeto pode entrar em contato com ele pelo telefone: 3314-1408 ou procurar a Paróquia de São Miguel Arcanjo. Já quem quiser conhecer diretamente os serviços oferecidos na Casa Dom Bosco, é só ir até a unidade que fica localizada no bairro, Santa Amélia, na Avenida Jorge Montenegro de Barros.

ASSISTA:

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França

Comentários

MAIS NO TH