Cidades

10 de março de 2018 08:55

Carros 0km devem ter placas padrão Mercosul em setembro

Considerada a frota atual, alagoanos gastariam R$ 112 milhões com mudança

↑ Frota em Alagoas é de 700 mil veículos; caso a mudança tivesse que ser feita hoje, custo para condutores alagoanos seria de R$ 112 milhões (Foto: Sandro Lima)

O prazo para as placas de veículos adotarem o padrão dos países do Mercosul começa em primeiro de setembro deste ano. A resolução foi publicada ontem (8), no Diário Oficial da União. De acordo com o diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito de Alagoas (Detran-AL), Antônio Carlos Gouveia, os carros zero quilômetros já devem vir com a mudança.

“Nesse primeiro momento, a mudança é só para os carros novos. E não custará nada porque a ideia é que permaneça no valor atual. Em Alagoas, hoje a frota é de pouco mais de 700 mil veículos, porém a nova placa só para veículos novos. Depois é que se fará nos veículos usados. Como foi a mudança da placa amarela para a atual. A expectativa é que até 31 de dezembro de 2023 todos os carros estejam com a nova placa”, explica Gouveia.

A decisão foi tomada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), no dia 6 deste mês, em reunião. É esperado um gasto de R$ 18 bilhões com as novas placas no país. Cada uma deverá custar entre R$ 120 e R$ 200.

Em Alagoas, segundo o diretor-geral do Detran/AL, se o valor do emplacamento permanecer o mesmo, como deve ocorrer, serão gastos aproximadamente de R$ 112 milhões pelos proprietários de 700 mil veículos que corresponde a frota atual do estado.

“Acreditamos que ficará o mesmo preço. Atualmente, o preço das placas para os condutores de motocicletas, carros e caminhões, para todos os motoristas cadastrados no órgão varia entre R$ 130 e R$ 179. Então, deve continuar variando nesses custos. Nós não queremos aceitar nenhuma situação de majoração para o motorista”, explica Antônio Carlos Gouveia.

Proposta foi apresentada em 2014, e a nova placa deveria ter começado a ser adotada no Brasil em janeiro de 2016, mas foi adiada duas vezes: primeiro para 2017 e, depois, sem prazo específico.

MUDANÇA

Em vez de três letras e quatro números, como é hoje, as novas placas terão quatro letras e três números, e poderão estar embaralhados, assim como na Europa; A cor do fundo das placas será sempre branca. O que varia, é a cor da fonte. Para veículos de passeio, cor preta, para veículos comerciais, vermelha, carros oficiais, azul, em teste, verde, diplomáticos, dourado e de colecionadores, prateado; O nome do país estará na parte superior da patente, sobre uma barra azul. Nome da cidade e do estado estarão na lateral direita, acompanhados dos respectivos brasões; A placa terá as mesmas medidas das já utilizadas no Brasil (40cm de comprimento por 13cm de largura).

Além disso, a placa terá uma tira holográfica do lado esquerdo e um código bidimensional que conterá a identificação do fabricante, a data de fabricação e o número serial da placa. A tira é uma maneira de evitar falsificação.

Detran de Alagoas se prepara para ser o pioneiro na implantação

O diretor-presidente do Detran/AL, disse que o órgão já está se preparando para que o Estado seja o pioneiro na implementação das novas placas.

Segundo Gouveia, em junho desse ano, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e Contran devem estar em Alagoas para uma audiência pública com a presença de todos os órgãos envolvidos nessa mudança.

“Estamos trabalhando para que nosso estado seja o primeiro estado da federação a entrar neste contexto de implantação das novas placas. Estamos com o processo para sair na frente”, disse Gouveia.

CONDUTORES

Os proprietários de veículos e motoristas alagoanos ainda não têm uma opinião formada sobre a resolução. Muitos têm dúvida de como vai funcionar a mudança e se ela de fato será boa para os condutores.

“Algum político abriu uma fábrica de placas e está precisando dar um gás no caixa da empresa. Por que essa mudança?”, questiona Álvaro Rocha.

“Mais uma maneira de arrancar dinheiro do contribuinte, apenas isso”, diz Jonathan Costa.

“Como é até 2023, até lá, vendo o meu com essa placa mesmo, e compro de alguém que já tenha colocado a placa nova. Simples”, comenta Alexandre Lima.

Já para Caio Roberto, a mudança é comercial. “Na verdade, essa nova modalidade, abre espaço para mais veículos novos”.

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França

Comentários

MAIS NO TH