Política

10 de junho de 2021 07:51

Ex-prefeito de Porto Calvo é alvo de inquérito do Ministério Público

↑ Carlos Davi Lopes Correia Lima será o responsável pelas investigações sobre o não repasse dos recursos descontados dos servidores (Foto:BR104/cortesia)

O não repasse de valores descontados da remuneração de servidores públicos contratantes do seguro saúde da Unimed, relativo aos meses de novembro e dezembro de 2020, foi o motivo para que o Ministério Público Estadual de Alagoas (MP/AL) instaurasse um inquérito civil para investigar a administração do ex-prefeito de Porto Calvo, David Pedrosa.

O MP Estadual quer apurar o atraso no repasse à Unimed dos valores descontados dos servidores públicos. Por isso, a medida foi publicada na edição do Diário Oficial do órgão.

A investigação está sendo conduzida pela 2ª Promotoria de Justiça de Porto Calvo, por meio do promotor Carlos Davi Lopes Correia Lima. De acordo com a publicação no Diário Oficial, os valores das parcelas de novembro e dezembro de 2020 foram descontados da remuneração dos servidores públicos municipais contratantes do seguro-saúde, porém o município não repassou no prazo estabelecido os valores à cooperativa.

As informações chegaram ao Ministério Público por meio da atual Procuradoria do Município de Porto Calvo, que relatou o atraso no pagamento das parcelas de novembro e dezembro de 2020 devidas à Unimed. A 2ª Promotoria de Justiça informou que será agendada uma reunião de oitiva com o ex-prefeito David Pedrosa.

A atual gestão esclareceu que fez um levantamento de documentos e enviou ao Ministério Público Estadual. A atual gestão em Porto Calvo explicou ainda que está contribuindo com o órgão. “Em nenhum momento a atual gestão tem gerado atrasos no que se refere ao pagamento desse convênio entre a Prefeitura e a Unimed”.

O ex-prefeito David Pedrosa ainda não se pronunciou sobre a ação.

Fonte: Tribuna Independente / Claudio Bulgarelli

Comentários

MAIS NO TH