Polícia

15 de abril de 2019 08:36

Servidor da Câmara de Maceió é preso suspeito de ter estuprado 19 garotas

Escritório de vereador no bairro da Gruta era usado pelo homem para cometer crimes

↑ Jeferson Santos Silva foi conduzido para o Code, em Mangabeiras (Foto: Tribuna Hoje)

Foi preso na manhã desta segunda-feira (15), por agentes da Polícia Civil de Alagoas, um servidor da Câmara Municipal de Maceió, suspeito de ter estuprado cerca de 19 mulheres na capital alagoana. De acordo com informações da polícia, ele escolhia as vítimas e as abordava em seu veículo em busca por ‘informações’, quando elas se debruçavam na porta do carro, ele as ameaçava com uma arma de fogo, e intimidadas, eram obrigadas e entrar no automóvel.

Benício Vieira de Lima, de 42 anos, levava as vítimas para uma casa no bairro da Gruta onde funciona o escritório do vereador Chico Filho, do qual, ele presta serviço como cargo comissionado recebendo R$2,9 mil.

De acordo com a delegada Ana Luíza Nogueira, Benício abordava as vítimas com idade entre 11 e 18 anos, desde 2015, nos bairros do Jacintinho e Feitosa. “Ele foi preso em casa, no bairro de Guaxuma, Litoral Norte da Capital, é servidor da Câmara de Vereadores de Maceió e usava o carro que dirigia no trabalho, um sedan prata, para sequestrar as vítimas”, contou a autoridade policial.

O suspeito foi encaminhado para o Complexo de Delegacias Especializadas (Code), no bairro Mangabeiras, onde permanece à disposição da justiça. A delegada confirmou também que a nove casos já foram confirmados por meio de provas técnicas e o reconhecimento das vítimas. Outros 10 casos suspeitos estão sob investigação.

Uma garota, vítima do suspeito, esteve no local do estupro e relatou que foi abordada com uma arma de fogo e colocada, à força, dentro do carro. Já no veículo, foi obrigada a baixar a cabeça para não ver o caminho percorrido pelo suspeito. No local, Benício Vieira praticou sexo com a vítima e sob ameaças dizia que se ela gritasse tinham mais três homens na casa.

“Passei uma média de duas horas nesta casa, depois ele me levou até próximo à minha casa, e dizia que se eu falasse para os meus pais, me matava. Isso aconteceu em novembro do ano passado, desde então, não consigo sair de casa sem que venha a lembrança, nem consigo entrar em carro”, contou a vítima que escondeu o rosto para falar com a imprensa.

“Fiquei com ele por mais de duas horas. Ele exigia que eu não gritasse e, se eu fizesse isso, chamaria outros homens. Já na volta para casa, ele me obrigou a não dizer nada”, disse a vítima.

A garota ainda disse que procurou a polícia, junto com o pai, para relatar o ocorrido. O crime foi em novembro do ano passado.

Em nota, a Câmara Municipal de Maceió se pronunciou lamentando o caso e informou que aguarda o fim das investigações para que tudo seja esclarecido. “Ao mesmo tempo, espera que o servidor acusado tenha seu direito de ampla defesa garantido. Por fim, a Câmara reafirma sua confiança nas instituições policiais de Alagoas”.

O vereador Chico Filho informou que vai pedir imediatamente a exoneração do assessor e se solidariza com todas as vítimas repudiando veementemente qualquer tipo de crime. “Estou assustado da mesma forma que toda sociedade, pois o assessor tinha mais de 15 anos de convívio familiar; em nenhum momento sabia do uso de seus veículos ou de seu escritório para prática de crimes”.

O parlamentar disse ainda que está disponível às autoridades policiais e judiciais para contribuir com as investigações.

 

Fonte: Tribuna Hoje

Comentários

MAIS NO TH