Cidades

18 de janeiro de 2020 09:15

Grupos de amigos se planejam para curtir o Carnaval

Foliões relatam que gastos com viagem e estadia ficam reduzidos; diversão é sempre garantida e mais segura

↑ Maxwell (à dir.) há 6 anos escolhe Salvador para festejar com amigos (Foto: Arquivo pessoal)

O Carnaval é apenas no segundo semestre de fevereiro, mas alguns grupos de amigos já vêm se preparando desde final de novembro para festejarem juntos em cidades como Salvador, Olinda e interior de Alagoas. São grupos entre 15 a 25 pessoas que se reúnem para curtir e baratear os custos da festa.

O administrador de empresas Júnior Melo reúne amigos desde 2005 para curtir os festejos de Momo em Recife (PE). Ele garante que a folia é sempre boa. Mas há dois anos o grupo festeja em Salvador (BA). “Sempre é um grupo de 12 a 15 pessoas, entre alagoanos e amigos de outros estados. A cada ano, o grupo varia porque alguns integrantes desistem de ir”, conta acrescentando que no caso deles os custos ficam em valor igual. “Em Salvador nossos custos ficam em torno de R$ 3.000. Já em Recife ficava em R$ 1.000’’.

Quem também não dispensa as festas de Carnaval em grupo é o jornalista e relações públicas Maxwell Monteiro que há seis anos escolhe a capital baiana para festejar. “Neste ano, completam seis anos que me reúno com alguns amigos para curtir o Carnaval em Salvador. A escolha pela cidade é sempre a mesma, devido a nossa paixão pelo Axé, pelos desfiles de trios elétricos e pelas bandas da Bahia. No primeiro ano, foram três pessoas, mas com o passar dos anos, o grupo foi aumentando. Tanto que em 2017, o grupo “Segura o Bonde” – como a gente denomina nossa galera que curte axé – precisou se dividir em três apartamentos, devido a quantidade de pessoas. Todo o grupo é de Maceió, a gente sempre se encontra, sempre sai junto e sempre conversa sobre festa e carnaval. Somos muito ligados. Nesse ano, somos 11 que vamos para o carnaval e ficaremos no mesmo apartamento’’.

O jornalista fala da afinidade entre eles. ‘’Gostamos sempre de reunir o mesmo grupo, pois, todos já se conhecem e nos divertimos muito juntos. Sem falar que, em grupo, todos os gastos são divididos. Nossa organização e preparação já começa depois do São João, o que torna os gastos mais em conta, pois, conseguimos dividir todas as despesas em vários meses ’’.

Outro que não dispensa cair na folia é o marketeiro Fabrício Santos, que há cinco anos começou a organizar viagens com grupos de amigos nesse período. “Tem uns anos que viajo com grupos de amigos. Na verdade somos um grupo menor entre três a seis pessoas. Todos de Alagoas. Já fomos para Recife umas duas vezes. Só não viajamos para cidades aqui mesmo do estado ainda. O grupo muda um pouco às vezes um não pode ir’’, ressalta dizendo que é bem melhor curtir em grupo, mas seguro. O gasto fica a mesma coisa, R$ 1000 reais por pessoa. Tirando os custos de abadás de blocos’’.

Interior do Estado e Olinda são destinos mais procurados

O tradicional e democrático carnaval de Olinda é um dos destinos de muitos alagoanos nesta época. Quem já foi uma vez quer retornar e garante que a festa é inesquecível e tem um custo benefício que cabe no bolso.

É o caso do grupo de Dênio Silva, produtor cultural, coreógrafo e ator, que irá para o Carnaval de Olinda. “Estamos nos planejando – na verdade há 12 anos vou para Olinda. Somos um grupo de 25 pessoas, mas que se renova a cada ano, porque tem muitos que acabam mudando a cidade que irá festejar. Nesses grupos temos os veteranos, que não deixam de ir. Têm pessoas de Alagoas, como também de outros estados. Entre esses 25, cerca de seis estão comigo nesses anos, saímos em caravana mesmo’’.

Dênio ressalta que para este ano a casa ainda está com vagas. “Gosto do Carnaval de rua e a festa em Olinda é a mais em conta. Com R$ 350 reais dá para festejar os cinco dias de folia. Quem quiser entrar em nosso grupo basta entrar em contato nos telefones: (82) 9 99241401/ 9 99149400’’.

INTERIOR

Além dos grupos que irão para outros estados, têm os alagoanos que escolhem como destino os festejos das cidades do interior alagoano. O promotor de eventos Rafael Tenório organiza todos os anos a ida para São José da Laje, no famoso ‘Carnalaje’. E o planejamento do grupo composto por 25 amigos já vem sendo feito há meses.

“O planejamento começou logo após ter acabado o carnaval de 2019, a turma gostou tanto que já foi dado início ao planejamento e vendo o que podíamos fazer para ficar melhor este ano. Comecei a participar do Carnalaje em 2017 quando deu errado nossa ida para Paripueira. Daí um amigo tinha falado desse Carnaval e viemos conhecer. O grupo teve início com 10 pessoas e hoje a procura está sendo grande. Este ano pretendo levar 25 pessoas’’, diz Rafael Tenório.

Segundo ele, reunindo uma turma fica mais viável para todos. “Dividimos as despesas e podemos reunir apenas amigos, sabendo o gosto de cada um. O custo fica mais em conta’’.

A casa que Rafael organiza está no valor de R$ 250 individual e R$ 450 casal e inclui hospedagem de sábado até a quarta-feira de Cinzas, com as três refeições principais. “O bom do Carnalaje é a segurança.  É um Carnaval de paz, onde a tradição do mela-mela prevalece e a ordem no município também. Já passei um ano em Salvador e não curti muito devido a grande violência, daí desisti”, lembra Tenório.

“Nada melhor que se divertir com conhecidos’’

Para o psicólogo, Carlos Gonçalves, o Carnaval é um ritual que oferece ao participante a oportunidade de sair de si, experimentando uma outra face, comportamentos e sentimentos que a sociedade, geralmente, não permite que vivenciemos no cotidiano, como  pular, dançar, cantar, rir, se fantasiar, e há ainda a inversão de características: “O juiz é ridicularizado, o político corrupto é abertamente criticado, como se pudéssemos colocar para fora o que pensamos e ou sentimos sem medo de ser cerceados, e fazer tudo isso sozinho, muitas vezes não tem a mesma magia do que estar entre amigos’’.

Ainda segundo o especialista, os amigos são as pessoas com quem vamos estabelecer vínculos mais significativos e duradouros durante a vida. “E, em cada etapa dessa jornada, eles têm um papel importante para o nosso desenvolvimento psíquico e social. As amizades também são fundamentais para que possamos externalizar sentimentos e demonstrar afeto e amor, o que é fundamental para a nossa saúde mental. É um tipo de relacionamento que nos ajuda a ser mais humanos em nossas vidas’’.

Gonçalves avalia que o Carnaval, que é um exercício da democracia, onde todos podem se juntar, é uma época propícia em que a pessoa pode sonhar, imaginar que pode tudo. “É como se pudéssemos tirar férias de nós mesmos. E isso é bom. O Carnaval, em sua essência, é um convite ao brincar. Os adultos estão liberados para encher a cara do amigo daquela espuma irritante, vestir-se de super-herói, acordar o amigo com um apito logo cedinho para acompanhar os blocos. Enfim, fazer tudo isso com quem se gosta fica muito mais prazeroso. O importante também é não forçar a barra quando um amigo é convidado para ir com o grupo e ele não gosta tanto da folia, e mesmo assim se aventura. Nesse caso, pode gerar aborrecimentos, o clima pode não ser tão bom quanto o esperado, em virtude de ter um membro do grupo que não tá querendo participar de nada. O ideal é respeitar a vontade do outro e entender que nem todos gostam do carnaval. Por isso a grande dica é tá com amigos que comunguem da mesma “vibe”, e que estejam dispostos a brincar os quatros dias da folia”.

Fonte: Tribuna Independente / Texto: Lucas França

Comentários

MAIS NO TH