Tecnologia

13 de janeiro de 2022 10:00

Heatltechs resolvem problemas reais e diminuem a escassez em locais remotos

O número de healthtechs no Brasil é surpreendente e mostra o quanto essas soluções na área da saúde ganharam força

↑ (Foto: Reprodução Internet)

Quem nunca ouviu falar que para todo problema existe uma solução? As startups levam isso a sério e surgem a partir de um modelo de negócios ágil e enxuto capaz de solucionar dores reais.

Imagine um atendente de farmácia que sofre para decifrar a letra de um médico na receita. Não seria bom ter alguma plataforma que fizesse esse serviço? Uma startup chamada Memed pensou em resolver esse problema ao criar a prescrição digital e enviá-la por SMS para o paciente.

Empresas como a Memed, ZenKlub e a Beep Saúde, por exemplo, são healthtechs. Elas são startups que surgiram da união entre saúde e tecnologia para criar produtos e serviços inovadores.

As healthtechs vieram para ficar. O número de healthtechs no Brasil é surpreendente e mostra o quanto essas soluções na área da saúde ganharam força. Só para se ter uma ideia, a quantidade de startups dessa categoria aumentou consideravelmente desde o início do ano até setembro de 2021. Existiam 671 empresas em janeiro e, em setembro, essa quantidade saltou para 945. Um crescimento de 40,8%.

A quantidade de dinheiro investido nas healthtechs também cresceu consideravelmente. Segundo o mesmo estudo, enquanto o volume de investimentos chegou a US$ 112,6 milhões em 2020, a quantia foi bem maior em 2021. Entre janeiro e setembro deste ano, o valor total “injetado” foi de US$ 235,6 milhões.

Healthtechs surgem para resolver problemas reais – O que explica esse salto no número de healthtechs no mercado? Um dos principais fatores é a enorme possibilidade de atender às necessidades de pacientes, médicos e unidades de saúde que ainda não foram supridas por empresas tradicionais.

A Beep Saúde, por exemplo, surgiu com o objetivo de tornar o atendimento domiciliar, que era um serviço exclusivo (VIP) oferecido no Brasil, em algo mais “acessível”. Criado em 2016, a ideia da empresa era usar tecnologia e uma logística eficiente para tornar o preço dos atendimentos em casa iguais ou mais baratos do que os das clínicas e laboratórios tradicionais.

Já a ZenKlub surgiu em 2016. A ideia de criar essa healthtech veio da observação de que existem muitos profissionais da área da saúde disponíveis no Brasil, mas que o acesso a eles ainda era a principal dificuldade das pessoas durante a busca de ajuda psicológica. Pensando em resolver essa “dor”, foi criada uma plataforma para conectar pacientes com psicólogos por um preço acessível e sem a necessidade da pessoa sair de casa para fazer o atendimento.

Essa resolução de problemas ficou muito evidente durante a pandemia da Covid-19

O relatório feito pela plataforma de inovação Distrito em 2020 trouxe algumas iniciativas de healthtechs que tiveram um grande impacto para a população, governo, profissionais da área de saúde e hospitais.

Ao todo, 53 startups que tiveram ações diretas ou indiretas no combate ao novo coronavírus (Covid-19). Veja algumas delas:

    • Plataformas de terapia online e atividade física em casa para a população conseguir enfrentar a quarentena com maior qualidade de vida;
  • Serviços que ajudaram a trazer uma melhor visualização dos dados relacionados à pandemia;
  • Plataformas que permitiram o atendimento médico de forma remota;
  • Ferramentas para tirar as dúvidas de pacientes que apresentavam sintomas semelhantes aos da Covid-19, sem eles precisarem se deslocar até um atendimento médico.

Investimentos são as principais formas das healthtechs surgirem e se manterem

Quem quer criar uma startup, seja qual for a área de atuação, precisa de investimentos para conseguir tirar a ideia do papel. E, segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), existem quatro tipos que podem ajudar nessa empreitada:

  • Bootstraping: quando o empreendedor e/ou os sócios colocam o dinheiro do próprio bolso para investir no negócio;
  • Investimento-anjo: é quando pessoas físicas investem em empreendimentos com grandes possibilidades de crescimento. Esse “anjo” oferece muito mais do que o dinheiro, ele traz o seu conhecimento, experiência e contatos para orientar os empreendedores;
  • Aceleradoras: qualquer startup pode se inscrever para participar de um processo seletivo das aceleradoras. Elas vão escolher qual empresa vai receber – além do aporte financeiro – consultoria, treinamento e participação em eventos durante um período específico;
  • Venture Capital: apoio de negócios por meio da compra de ações que, na maioria das vezes, é minoritária. A ideia é fazer com que elas se valorizem para haver uma saída da operação depois.

O que esperar das healthtechs para 2022

O que se pode esperar é que o número de healthtechs seja cada vez maior, já que elas podem trazer modelos de negócios diferentes com soluções inovadoras para problemas reais. O diretor da plataforma de inovação Distrito, Gustavo Araújo, disse em uma entrevista para o Valor Econômico que esse crescimento pode trazer alguns impactos positivos, como:

  • Ajudar a aumentar a utilização de serviços da rede privada de saúde;
  • Levar profissionais da área da saúde que são especialistas para localidades com escassez de atendimento.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH