Tecnologia

3 de setembro de 2020 09:56

Mais de 10 mil famílias em AL serão beneficiadas com poços movidos a energia solar

Projeto-piloto inovador de acesso à água executado no estado pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

↑ Projeto-piloto da Codevasf (Foto: Divulgação)
Um projeto-piloto inovador de acesso à água executado em Alagoas pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) está beneficiando a população de 16 municípios alagoanos. São 63 poços tubulares movidos à energia solar que devem abastecer uma população total de mais de 10 mil famílias a partir de investimento do Governo Federal, por meio da Companhia, de cerca de R$ 2,86 milhões por meio de recursos de emenda parlamentar ao Orçamento Geral da União (OGU). A utilização da energia fotovoltaica para funcionamento dos poços deve baratear os custos de manutenção já que Alagoas é um estado rico em exposição solar durante todo o ano.
Os poços tubulares movidos à energia solar instalados nesse projeto são dos tipos cristalino e sedimentar, que se aplicam de acordo com o tipo de rocha encontrado no estudo geológico. Neste projeto-piloto da Codevasf, estão sendo beneficiadas comunidades dos municípios de lagoa da Canoa (AL), Feira Grande (AL), Arapiraca (AL), Craíbas (AL), Campo Grande (AL), Teotonio Vilela (AL), Rio Largo (AL), Belém (AL), Mar Vermelho (AL), Boca da Mata (AL), Coite do Noia (AL), Viçosa (AL), Junqueiro (AL), Flexeiras (AL), Campo Alegre (AL) e Taquarana (AL).
Um das comunidades alagoanas beneficiadas com o acesso à água por meio desses poços é a Vila Aparecida, na zona rual de Arapiraca, onde mora o agricultor Gerson Fernandes da Silva, 44 anos, com a esposa e os três filhos. Nascido e criado na comunidade que vive da agricultura com a produção de milhos e inhame, ele enxerga no poço movido à energia solar a possibilidade da família continuar o trabalho na agricultura produzindo alimentos para consumo próprio e para venda e geração de renda.
“Aqui na Vila Aparecida, temos encanação, mas a água chega somente a cada dois meses. Para se virar, quem tem dinheiro, compra água de carro-pipa e quem não pode, não tem o que fazer. Mas agora vamos poder plantar com tranquilidade. Esse vai ser o grande impacto desses poços”, comemorou o agricultor.
Para execução do projeto, a Codevasf identificou as comunidades rurais com carência de abastecimento a partir da demanda apresentada por prefeituras alagoanas. “A implantação de soluções de acesso à água e de segurança hídrica fazem parte das linhas de negócio da Codevasf como empresa de Desenvolvimento Regional do Governo Federal. Conhecedores disso, as prefeituras alagoanas apresentam constantemente demandas para implantação de sistemas de abastecimento de água e de poços tubulares à Companhia, que passam a compor uma base de dados para que no futuro, quando houver disponibilização orçamentária, seja por meio de programas do Governo Federal ou por emenda parlamentar ao Orçamento Geral da União, elas possam ser atendidas após análise técnica”, explicou o superintendente regional da Codevasf em Alagoas, engenheiro civil Ricardo Lisboa.
A partir da identificação das demandas nos municípios alagoanos, o trabalho de implantação dos poços artesianos ocorre em três fases. Na primeira, é realizada a locação, no qual um serviço de geologia realiza estudos nas comunidades apontadas para o benefício com vistas a escolher o local da instalação do poço. Em seguida, na fase de perfuração, é verificado a viabilidade de funcionamento do poço com teste de vazão e de análise da qualidade da água. Finalmente, se confirmado que o poço é produtivo, inicia-se a fase de instalação com a implantação de toda estrutura, inclusive o kit de energia solar.
Segundo o superintendente regional da Codevasf em Alagoas, a ação da Codevasf tem como objetivo promover o acesso à água para todas essas comunidades como estratégia do Governo Federal para universalizar esse direito humano no Nordeste e, ao mesmo tempo, garantir a sustentabilidade do poços ao reduzir seus custos. “O Nordeste é uma região rica em exposição ao sol, fonte da energia fotovoltaica. Assim, essas comunidades já possuem a fonte de energia adequada ao funcionamento desses projetos de acesso à água, o que elimina as despesas com fornecimento de energia para operação”, explicou Ricardo Lisboa.
A Codevasf ainda está finalizando a instalação dos poços tubulares. A previsão é que os trabalhos sejam concluídos até o final do mês de dezembro deste ano.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH