Tecnologia

23 de agosto de 2019 14:58

Fotos tiradas em superfície de asteroide dão pistas sobre a formação dos planetas

Imagens foram capturadas na superfície do asteroide Ryugu e fornecem pistas sobre a formação tanto do asteroide quanto do sistema solar

↑ Asteroide Ryugu (Foto: AFP)

Fotos tiradas na superfície do asteroide Ryugu pelo robô Mascot (Mobile Asteroid Surface Scout) revelaram pistas sobre sua composição e podem ajudar cientistas a determinar a formação do sistema solar.

O robô viajou a bordo da sonda japonesa Hayabusa2 e pousou na superfície do asteroide de 900 metros de diâmetro no dia 3 de outubro de 2018. Sua órbita se encontra entre a Terra e Marte, por esse motivo há um interesse dos cientistas em entender sua composição.

O Mascot é responsável por diversas atividades, dentre elas está o registro de temperatura, captação de imagens para determinar a composição do asteroide e algumas outras medições. Usando essas fotos, os cientistas chegaram à conclusão de que sua superfície é composta por dois tipos de rochas: escuras e com uma superfície parecida à de uma couve-flor ou brilhantes e lisas.

 foto 1

(Foto: AFP)

Ralf Jaumann, do centro espacial alemão, comentou sobre as imagens captadas pela Mascot: “O interessante é que mostram que o Ryugu é produto de algum tipo de processo violento”. Ainda segundo ele, o asteroide pode ser a junção de dois corpos que colidiram e depois se uniram pela gravidade.

O Mascot também foi responsável por apresentar um novo mistério: a falta de pequenas partículas na superfície do asteroide. Os cientistas têm duas teorias que podem explicar o caso. A primeira delas aponta que a poeira pode ter caído em pequenos orifícios presentes em sua superfície. A segunda teoria diz que, devido às mudanças de temperatura, um campo eletrostático foi criado e expulsou a poeira para o espaço.

foto 2

(Foto: AFP)

Como já citado, o Ryugu orbita entre Marte e a Terra, às vezes se aproxima mais de um dos dois, mas não a ponto de se tornar uma ameaça. A ideia de entender sua composição, é poder traçar uma estratégia para caso um outro asteroide similar venha a se tornar uma ameaça para o nosso planeta.

A sonda Hayabusa2 retorna para a Terra em 2020 trazendo as amostras coletadas pelo robô. Mas as imagens captadas por Mascot já dão aos cientistas uma ideia de como o asteroide se comporta quando exposto aos mais adversos cenários, como mudanças de temperatura.

Fonte: Olhar Digital

Comentários

MAIS NO TH