Tecnologia

11 de agosto de 2019 17:08

Tesla é processada por atualização que diminuiria a capacidade de bateria

Proprietário entrou com ação na Califórnia alegando que empresa limitou a bateria de veículos mais antigos

↑ Interior do Tesla Model 3 (Foto: Divulgação)

Um proprietário de um Tesla entrou com uma ação contra a fabricante de veículos elétricos, alegando que a empresa limitou a bateria de veículos mais antigos através de uma atualização de software

De acordo com a acusador, a montadora teria feito isso para evitar um recall para consertar baterias defeituosas.

O processo aberto na quarta-feira em um tribunal da Califórnia alega fraude e busca o status de ação coletiva para os potenciais milhares de proprietários do Model S e X em todo o mundo que viram as suas baterias de gerações mais velhas serem subitamente reduzidas para um alcance de, em alguns casos, 64 quilômetros.

Proprietários reclamam

A redução do alcance tem sido um tema em destaque desde maio nos fóruns online de proprietários, como o TeslaMotorsClub.com, no qual muitos proprietários detalham como o alcance das baterias diminuiu.

Os usuários dizem que a Tesla reduziu o alcance, pelo qual eles pagaram a mais, através da atualização de software, desvalorizando o carro, limitando a distância que eles podem viajar e forçando-os a recarregar com mais frequência.

Um porta-voz da Tesla disse que a prioridade da empresa era oferecer a melhor experiência possível ao cliente, com a mais alta consideração pela segurança.

“Uma porcentagem muito pequena dos proprietários dos veículos Model S e X mais antigos pode ter notado uma pequena redução no alcance ao carregar para um estado máximo de carga após uma atualização de software projetada para melhorar a longevidade da bateria”, disse Tesla.

A empresa acrescentou que está trabalhando para mitigar o impacto sobre o alcance da bateria dos proprietários afetados e “estão lançando atualizações para abordar essa questão desde a semana passada”.

Alguns proprietários que viram seus carros não poderem ter a bateria carregada até 100% buscaram reparação por meio de arbitragem, enquanto pelo menos três venderam seus carros, de acordo com os posts do fórum Teslamotorsclub.com. Outros desativaram o Wi-Fi para evitar atualizações de software que possam afetar a bateria.

“Sob o disfarce de ‘segurança’ e aumentar a ‘longevidade’ das baterias dos veículos, a Tesla manipulou seu software com a intenção de evitar seus deveres e obrigações legais com os clientes para consertar, reparar ou substituir as baterias dos veículos, todos os quais a Tesla sabia que eram defeituosos, ainda sim a Tesla não informou seus clientes sobre os defeitos”, escreveu o processo.

Fonte: Reuters e G1

Comentários

MAIS NO TH