Saúde

18 de outubro de 2020 09:30

Governo federal gasta R$ 77 mi de verbas da Covid-19 em passagens e diárias

↑ Ilustração

Em meio à pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, o governo federal gastou R$ 77,3 milhões com a compra de passagens, diárias e despesas com locomoção. É como se, desde a identificação do primeiro adoecimento no país, em 28 de fevereiro, até 15 de outubro, os cofres públicos desembolsassem diariamente R$ 336 mil com esse tipo de despesa.A reportagem foi revelada pelo site Metrópoles, de Brasília.

Os dados fazem parte de um levantamento do Metrópoles, com base em dados da painel Monitoramento dos Gastos da União com Combate à Covid-19, plataforma alimentada pelo Tesouro Nacional com dados do Ministério da Economia.

O maior gasto ocorreu na rubrica “Passagens e despesas com locomoção”. Ela é responsável por R$ 66,1 milhões. Foram R$ 44,3 milhões em locação de meios de transporte, R$ 20 milhões em passagens para o exterior e R$ 1,1 milhão em passagens nacionais.
A União gastou ainda R$ 14,8 mil em pedágios, R$ 591 em transporte de servidores e R$ 17,2 mil em locomoção urbana.
Nas despesas de “Diárias – Pessoal Civil”, o governo registrou gastos de R$ 10,4 milhões em reservas no Brasil. Já na “Diárias – Pessoal Militar” são R$ 845,7 mil. Neste caso, aparecem pagamentos no exterior.
Segundo o painel Monitoramento dos Gastos da União com Combate à Covid-19, o governo federal comprou R$ 304 mil em diárias fora do Brasil. O valor representa 36% do total usado com militares. Outros R$ 541,3 mil foram gasto no país.
O gasto com diárias e passagens para servidores civis e militares é comum no governo, mas pouco usual em tempos de recomendação de isolamento social.
Vale frisar que o custeio dessa despesa foi feito com dinheiro do orçamento paralelo, apelidado de “orçamento de guerra“, para que ocorresse sem maiores entraves burocráticos e amarras fiscais.

Onde foi o dinheiro

As informações registradas no painel do Tesouro Nacional mostram que o dinheiro foi usado no “enfrentamento de emergência de saúde pública de importância”, “prevenção e repressão ao tráfico de drogas e ao crime”, “proteção e promoção dos direitos de povos indígenas”, “regularização, demarcação e fiscalização de terras indígenas”, “administração de unidade” e “acolhimento humanitário e interiorização de migrantes”.

Apesar das informações, o governo não detalha quem usou diárias, quando, quem autorizou e quais as prerrogativas para essas despesas. Vale lembrar que, estados e municípios fecharam hotéis, pousadas e hospedarias por conta da Covid-19 e das recomendações de distanciamento.

Versão oficial

O  site Metrópoles pediu a discriminação dos gastos ao Ministério da Economia. Em nota, a pasta resumiu que “o painel apenas compila o fluxo de caixa na conta única. Para mais detalhes, você deve se dirigir aos ministérios e órgãos responsáveis por esses gastos”.

Fonte: Metrópoles

Comentários

MAIS NO TH