Saúde

6 de agosto de 2020 09:44

Sentimento de arrependimento é um valioso gerador de mudança 

Especialista fala sobre as coisas boas que podem surgir do arrependimento

Tomar decisões erradas ou impensadas e se arrepender por ter feito isso faz parte da vida de qualquer pessoa. Alguns erram mais, outros menos, alguns comentem erros sem querer, outros propositalmente. Independente disso, carregar consigo uma sensação de arrependimento é algo comum, porém, é preciso saber utilizar esse sentimento de maneira positiva para que o arrependimento não se torne prejudicial.

De acordo com o professor de Psicologia da UNINASSAU Maceió, Paulo Nascimento, antes de tudo é preciso entender a diferença entre arrependimento e remorso. “O arrependimento nunca é prejudicial, já o remorso, pode ser. O arrependimento vai produzir torpor, abatimento do ânimo, pode provocar um isolamento temporário e choro, tudo a depender do que se viveu e da intensidade do fato. Mas, o arrependimento não leva à autodestruição e autopunição, mas sim à vontade de mudança. O remorso, no entanto, gera os mesmos sentimentos iniciais de tristeza, torpor e abatimento, mas mantém o sujeito dentro do ciclo da culpa, que só é saciada quando o indivíduo desconta essa frustração nele mesmo, por meio processos de autopunição”, afirma o docente.

Segundo Paulo, sempre que há arrependimento diante de erros e equívocos cometidos, o fruto é sempre positivo. Ele explica que das coisas boas que podem surgir do arrependimento, a principal é a mudança, pois o verdadeiro arrependimento é acompanhado da alteração do comportamento, a fim de que aquele equívoco ou aquela sequência de maus hábitos não se repita.

“A mudança muitas vezes não é simples, trata-se de um desafio, afinal, nenhum hábito, bom ou ruim, nasce do dia para a noite. Hábitos são construções demoradas, pois têm a ver com processos de repetição que, inclusive, alteram a maneira que as sinapses cerebrais são organizadas, ou seja, têm relação com a maneira que alguns dos nossos neurônios se organizam. Muitas vezes a pessoa quer mudar e não consegue, pois é como se ela tivesse uma programação neuronal para funcionar daquele jeito”, pontua o psicólogo.

A dica para conseguir utilizar o arrependimento de forma positiva, é uma só: reflexão. “O arrependimento precisa ser acompanhado de uma reflexão para que ele não fique apenas no estágio da dor e do remorso. Ele precisa gerar uma reflexão acerca da causa dessa dor e o que deve ser feito para que isso não aconteça novamente. Então, a dica é que o indivíduo aproveite o sentimento para fazer uma revisão profunda daquilo que precisa ser mudado, para que ele possa seguir a vida de maneira feliz e saudável, na medida do possível”, finaliza.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH