Saúde

28 de maio de 2020 19:40

CRMV-AL adverte: Ivermectina de uso veterinário não é recomendada para humanos

Presidente lembra que a informação correta é sempre a melhor forma de educar

↑ Foto: Ilustração

Motivado pela divulgação de reportagem que abordou o pedido feito pelo vereador de Maceió, Francisco Sales, ao Ministério Público Estadual e à Defensoria Pública do Estado, de suspensão da venda do medicamento Ivermectina nos estabelecimentos veterinários para evitar sua comercialização e utilização no tratamento da COVID-19 em humanos, o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Alagoas – CRMV-AL vem a público esclarecer que se posiciona de forma contrária à recomendação, por entender que a medida deixa desassistidos os animais que precisam utilizar o medicamento em sua formulação para uso veterinário.

“Não podemos comprometer a saúde animal por causa da não disponibilidade do produto destinado aos humanos nas redes de farmácia usuais”, afirma a presidente do Conselho, Annelise Nunes.

O esclarecimento, enviado por meio de ofício ao vereador Francisco Sales, ressalta ainda que a medida mais acertada nesse caso seria recomendar que seja evitada a venda de forma indiscriminada e que a mesma ocorra apenas com receita emitida por um médico veterinário com inscrição ativa no CRMV e com a retenção da mesma. Destaca ainda que a Cloroquina/Hidroxicloroquina, também citada na solicitação do parlamentar, não é de utilização usual na clínica médica e quando seu uso se faz necessário, é utilizada a mesma disponível para humanos.

A presidente lembra que a informação correta é sempre a melhor forma de educar. Por isso, o Conselho, exercendo sua atribuição de prestar consultoria nos assuntos relativos à Medicina Veterinária, está buscando informar, através dos canais de comunicação do regional alagoano, o prejuízo que pode ocorrer à saúde humana com o uso de medicamentos destinados a uso veterinário, a exemplo do alerta que foi feito por todo o Sistema CFMV/CRMVs, no episódio da vacina para pets, no início da pandemia no Brasil.

É bom lembrar também que antes mesmo da pandemia, em novembro do ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa já alertava sobre o risco do uso da Ivermectina como medicamento veterinário por humanos, pela concentração do princípio ativo (ivermectiva) em relação ao medicamento humano e pela falta de comprovação científica que ateste a segurança e a eficácia do uso dessas formulações em pessoas.

O medicamento – A Ivermectina de uso veterinário é usada no controle e tratamento de parasitas internos e externos dos animais domésticos. O tratamento antiparasitário é feito de forma controlada pelo médico veterinário, pois em algumas raças o medicamento não pode ser administrado, devido à ocorrência de reações adversas severas. E por possuir uma formulação diferente do medicamento para humanos, seu registro é feito junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH