Saúde

21 de maio de 2020 14:17

Farmacêutico explica quais as diferenças dos testes disponíveis no mercado

Tipos de testes são o PCR, que é considerado padrão ouro, e a sorologia

↑ (Foto: Ascom CRF/AL)

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde de Alagoas cerca de 200 testes são realizados diariamente para diagnosticar o Covid-19. Mas você quais os tipos de testes que temos disponível no mercado? O PCR, que é considerado padrão ouro, e a sorologia.

O farmacêutico analista clínico João Vitor explica que o PCR é uma metodologia de testagem molecular, que significa dizer que é identificado o material genético do vírus garantindo que a chance do falso negativo ou falso positivo seja mínima. “Isso acontece desde que o exame seja coletado, no momento certo e com os devidos cuidados”, pontuou.

Ele revela que o resultado será mais seguro desde que a coleta seja feita entre o segundo até o décimo segundo dia de sintomas. Fora deste prazo a carga de RNA viral tende a diminuir e a eficácia acaba por ser menor. “Este é um exame caro comparado com os demais disponíveis no mercado. A principal característica do PCR é que ele identifica a fase ativa da doença, o que pode ser vantajoso permitindo que o tratamento seja feito de forma mais rápida. Porém, ele não dá resposta se o paciente já teve e/ou foi curado permitindo assim que ele volte as atividades laborais e saia do isolamento total”, comentou.

Na sorologia o teste vai identificar os anticorpos que o vírus produz no nosso corpo. O farmacêutico pontua que serão identificados o IGM e o IGG que são as duas principais imunoglobolinas. Se o resultado do teste der IGM positivo significa que o paciente está na fase inicial e/ou ativa da infecção. Se for IGG positivo o resultado é de que o paciente foi positivo para o Covid-19 e está na fase de soro conversão que é a mudança fase ativa para fase de cura.

“O ideal é que o paciente se submeta este teste entre o sétimo e quadragésimo quinto dia do sintoma que permite que seja detectado os anticorpos produzidos pelo vírus e em que fase ele está. Ele também traz o diagnóstico epidemiológico e social porque ajuda a ter um parâmetro aos pacientes para sair do isolamento, permitindo o retorno as suas atividades laborais”, revelou. Na avaliação do farmacêutico o teste sorológico tem o melhor custo benefício.

João Vitor faz um alerta quanto aos testes rápidos, que é um subtipo da sorologia. “O teste rápido é um teste sorológico mas ele usa uma metodologia específica chamada imunocromatografia”, explicou. O farmacêutico diz que a sorologia de teste rápido apresenta menor especificidade e sensibilidade ao teste. Ou seja, a capacidade de detectar, diferenciar é menor podendo causar falsos positivos e/ou falsos negativos.

Para a metodologia de imunoflorescência de alta eficiência a sensibilidade e a especificidade é muito alta tornando o resultado muito seguro porque ele traz a quantidade de anticorpos permitindo saber em que fase da doença o paciente se encontra. “Estamos importando um equipamento para realizar no nosso laboratório o teste com imunoflorescência”, falou. A orientação deixa por ele é que o paciente converse com o profissional de saúde responsável pela realização dos testes para que se tenha conhecimento do produto (marca, procedência e outros) que está sendo usado nos testes.

Fonte: Ascom CRF/AL

Comentários

MAIS NO TH