Saúde

2 de maio de 2020 16:46

Vendas de medicamentos crescem durante pandemia do Covid-19

CRF/AL juntamente com o Conselho Federal de Farmácia lançam a campanha do Uso Racional de Medicamentos

↑ Robert Nicácio, presidente do CRF/AL (Foto: Ascom CRF/AL)

Na próxima terça-feira, 05 de maio, o Conselho Regional de Farmácia de Alagoas juntamente com o Conselho Federal de Farmácia lançam a campanha do Uso Racional de Medicamentos cujo tema é: não entre em pânico e antes de usar qualquer medicamento, consulte o farmacêutico.

A escolha do tema se deu após a realização de uma pesquisa pelos conselhos regionais em que se constatou um aumento na venda de medicamentos relacionados à Covid-19 nos três primeiros meses desse ano, comparado ao mesmo período do ano passado. A vitamina C, por exemplo, registrou um aumento de mais 180% nas vendas, seguido pelo paracetamol que foi de 77,35% e do sulfato de hidroxicoloroquina que foi de 67, 93%.

Robert Nicácio, presidente do CRF/AL, explica que estes dados reforçam a preocupação por partes dos farmacêuticos com relação a automedicação cujo hábito é comum em 77% dos brasileiros, segundo pesquisa do Instituto Datafolha de 2019. “Essa cultura da automedicação traz prejuízos à saúde, que podem ser resistência quanto ao uso daquela droga, alergias e reações que podem levar a morte”, alertou.

O presidente pontua que mesmo que sejam medicamentos livres de prescrição médica a orientação por parte do profissional farmacêutico é fundamental. Por exemplo, o uso excessivo da vitamina C pode levar ao surgimento de cálculo renal. No caso do paracetamol, pode causar lesões hepáticas e do sulfato de hidroxicloroquina problemas de arritmias e até parada cardíaca.

Neste período de pandemia foram divulgadas informações de que certos medicamentos trazem a cura para o Covid-19, contudo, o presidente ressalta que os estudos ainda não tem evidências clínicas, portanto, não há necessidade de se estocar estes medicamentos em casa. “O farmacêutico é o profissional responsável dentro da farmácia para orientar o paciente quanto a uso racional deste medicamento, como ele deve ser tomado, qual o melhor horário, e qual o medicamento adequado para tratar os sintomas relatados pelo paciente”, reforçou.

Um relatório publicado por entidades ligadas à ONU (Organização das Nações Unidas) em 2019 demonstrou que o uso excessivo de medicamentos pode levar a morte de 10 milhões de pessoas por ano até 2050. Além disso, as infecções resistentes a antibióticos já causam, pelo menos, 700 mil mortes todo ano. Dessas, 230 mil são por causa da tuberculose multirresistente.

O relatório do Banco Mundial, publicado em 2016, mostrou que os prejuízos econômicos nos sistema de saúde causado pela resistência dos micróbios a medicamentos terão um impacto global de cerca de 1 trilhão de dólares (R$ 3,9 trilhões) até 2050. “Neste momento de pandemia tudo o que precisamos é ter leitos disponíveis, prevenir a automedicação é resguardar a saúde da população. Sem esquecer claro, de cumprir o isolamento social. Estas medidas conjuntas ajudarão a não disseminar o vírus para que esta fase passe com mais tranquilidade”, falou Robert.

CFF

O presidente do Conselho Federal de Farmácia, Walter da Silva, lembra que os farmacêuticos sempre apoiaram a saúde em pandemias e estão na linha de frente do combate nessa também. Por isso, eles devem continuar observando as recomendações da Anvisa e as boas práticas farmacêuticas para realizar as dispensações desses medicamentos, e que orientem os usuários, pois a desinformação é um inimigo tão poderoso quanto o novo coronavírus.

Fonte: Ascom CRF/AL

Comentários

MAIS NO TH