Saúde

30 de julho de 2019 10:41

Qual a relação deles com as crises de arritmias cardíacas e eventos de morte súbita

Doença responsável por mais de 300 mil mortes no Brasil sofre influência direta de baixas temperaturas

↑ Imagem ilustrativa

Os três meses que seguem durante o inverno trazem com ele a queda da temperatura e algumas interferências diretas n a saúde, especialmente sobre o sistema cardiovascular, o que inclui o funcionamento do coração.

De acordo com a American Heart Association (AHA), entidade referência mundial sobre saúde cardiovascular, os quadros de arritmias cardíacas e morte súbita, infarto agudo do miocárdio e Acidente Vascular Cerebral, o famoso derrame, crescem em até 25% durante esta época.

“Este crescimento se explica pelo aumento da pressão sanguínea e a vasoconstrição, processo que diminui o diâmetro das artérias e ocorre como uma resposta do organismo para compensar a perda de calor. Em alguns casos, esta atividade dificulta a circulação normal do sangue em determinadas regiões, gerando disfunções agudas do sistema cardiorrespiratório”, explica o arritmologista presidente da SOBRAC, Dr. Jose Carlos Moura Jorge.

O especialista também explica que o frio ainda ativa os receptores nervosos da pele, desencadeando uma maior liberação de adrenalina, hormônio que contrai os vasos sanguíneos. A redução das vias de circulação sanguínea, mesmo pequena, pode provocar a rupturas de placas de gordura que irrigam o coração, e essa ocorrência leva à possibilidade de formação de coágulos – em razão de uma tentativa de equilíbrio natural feita pela concentração de proteínas e plaquetas presentes no sangue.

Todo esse processo, por fim, pode entupir as artérias e provocar um infarto. “Caso ocorra uma obstrução das artérias carótidas, que levam o sangue ao cérebro, podemos ainda ter um AVC”, pontua o especialista.

Outro fator preponderante neste contexto são regiões poluídas, em que o pulmão é sobrecarregado e altera a quantidade de oxigênio presente no sangue, o que consequentemente modifica a frequência cardíaca e propicia o aparecimento das arritmias, alterações elétricas responsáveis por distúrbios no ritmo das batidas do coração.

“Por este motivo, é preciso ter atenção e fazer algumas mudanças simples na rotina, especialmente se o indivíduo em questão já tem doença cardiovascular ou histórico na família. Neste momento, é preferível andar sempre agasalhado e evitar esforços repentinos ou exercícios intensos ao ar livre, evitando além de prejuízos ao coração, a hipotermia. E esta é uma recomendação que vale de crianças e idosos a até mesmo atletas de alta performance”, relata Moura Jorge.

O médico lista abaixo mais cinco dicas para cuidar do coração durante o inverno:

Apesar da tentação, evitar alimentos muito calóricos e gordurosos, que atuam diretamente no espessamento do sangue e, assim, facilitam o entupimento das veias e dificultam a circulação do sangue;
Praticar atividades físicas moderadas e sob a supervisão de um profissional, ajudando a fortalecer o sistema imunológico e combater doenças cardiovasculares;
Controlar a pressão arterial frequentemente, a fim de detectar alterações e, ao menor risco, procurar um especialista;
Realizar consultas e exames preventivos com um cardiologista, a fim de identificar eventuais problemas e iniciar um tratamento seguro e efetivo;
Em casos de portadores de arritmias cardíacas, manter a doença sobre controle.

Fonte: assessoria

Comentários

MAIS NO TH