Saúde

18 de março de 2019 13:12

Estudo diz que ovo eleva risco de doença cardiovascular

A novela em torno do alimento parece não querer terminar

Apesar de já ter algum tempo que o ovo deixou de ser considerado um vilão para a saúde, a novela em torno do alimento parece não querer terminar. Uma nova revisão de estudos publicada no JAMA (Journal of the American Medical Association) concluiu que comer ovos ou outros alimentos fontes de colesterol eleva o risco de problemas cardiovasculares e morte por doenças.

Segundo a pesquisa, cada meio ovo consumido por dia (equivalente a três ou quatro unidades por semana) pode aumentar, em média, em 6% o risco de doenças cardiovasculares e em 8% o risco de qualquer problema que leve à morte. Já a cada porção de 300 mg de colesterol (presente no ovo e também em carnes e queijos) ingerida ao dia, houve, em média, um acréscimo de cerca de 17% no risco de ter um problema cardiovascular e de aproximadamente 18% no risco de ter doenças que levem à morte.

É importante saber que para consumir 300 mg de colesterol é preciso comer aproximadamente três ovos de tamanho médio; ou meio quilo de picanha; ou 300 g de coxa de frango; ou 300 g de queijo parmesão. Como você pode ver, a quantidade não é pouca e listamos fontes bem gordas do nutriente. Então, quem segue uma dieta equilibrada, na qual a recomendação é comer regularmente uma porção (cerca de 100 g) de proteína magra (patinho, alcatra, peito de frango, peixe) no almoço e no jantar, não deve alcançar ou ultrapassar facilmente os 300 mg de colesterol ao dia.

Devemos parar de comer ovo? 

Como praticamente tudo na área de alimentação e saúde, a resposta é: depende de cada caso. Mas não houve um grande salto no aumento do risco à saúde associado ao consumo de ovo. Os cientistas estimam que, se mil pessoas comerem meio ovo por dia, somente 11 pessoas além do normal (para os EUA) vão desenvolver um problema cardíaco nos próximos 30 anos.

Porém, Victor Wenze Zhong, pesquisador da Universidade Northwestern (EUA) e um dos autores do estudo, alertou que pessoas que comem ovos todos os dias devem ter cuidados extras, pois maior consumo significa maior risco. “Limitar os alimentos ricos em colesterol pode ser importante para escolher um padrão alimentar saudável”, disse em entrevista à Time.

Ele também ressaltou que a gema do ovo (onde há maior concentração de colesterol) é a principal fonte de muitos nutrientes importantes encontrados no alimento, como alguns aminoácidos, colina, ferro e vitamina D. “As pesquisas sobre ovo são contraditórias e as pessoas e seus médicos devem decidir o limite de consumo.”

Para definir a quantidade do alimento a ser consumida, devem ser levados em conta estilo de vida e outros fatores de risco –como má alimentação, sedentarismo, histórico de doenças na família, problemas como diabetes e pressão alta, tabagismo e consumo excessivo de álcool –que inclusive tendem a trazer um risco muito maior para o coração do que a ovo, e devem ser melhorados antes de se cortar qualquer alimento natural.

Fonte: Meio Norte

Comentários