Saúde

12 de março de 2019 08:32

Exercícios físicos na terceira idade garantem maior expectativa de vida

Ao TH Entrevista, educador físico explica importância das atividades regulares e ganhos para saúde de idosos

↑ Matheus Correia destaca que com o próprio envelhecimento o organismo já não responde mais da mesma forma e o sedentarismo piora essa condição (Foto: Arthur Melo)

O sedentarismo, que é a falta de atividade física regular, é uma doença que vem sendo conduzida por hábitos da vida moderna, ou seja, a tendência é só aumentar. A falta de exercícios físicos pode trazer algumas consequências como perda da força física, acúmulo de gordura, atrofia muscular, como também a propensão a infarto, entre outros problemas de saúde. E para terceira idade essas consequências podem ser ainda piores. O TH Entrevista desta semana conversa com o profissional de educação física Matheus Correia que fala sobre a importância das atividades regulares na terceira idade.

Segundo o profissional, a prática de exercício físico na terceira idade é de extrema importância para reduzir os danos causados pelo tempo, como enfraquecimento dos músculos, perda de equilíbrio, maior cansaço e perda do tônus muscular. “Muitas vezes, ter o hábito de praticar atividades é o mais difícil, mas com esforço e dedicação é possível aderir a esse costume que vai dá maior expectativa e qualidade de vida”.

Correia explica que a população de idosos vem aumentando, mas infelizmente poucos estão ativos fisicamente.

“A população de idosos vem aumentando. Então proporcionalmente você vê um número maior de idosos fisicamente ativos. Mas na verdade são relativamente poucos dos idosos fisicamente ativos. 40% da população de idosos fazem algum tipo de atividade física e só 10% a 15% têm essa capacidade de fazer exercício com maior intensidade. Isso é uma pena. A gente entende de um envelhecimento com uma dificuldade de manter um equilíbrio, ou seja, uma ‘homeostase’ com o decorrer dos anos. O organismo não responde mais da mesma forma ou com a mesma eficiência os desafios e, consequentemente, vêm doenças etc. Infelizmente, as pessoas vão envelhecendo e tende a ficar sedentárias e isso piora sua a condição física”, ressalta Matheus Correia.

Para o profissional de educação física, a atividade física é essencial para o idoso. “Temos como exemplo que 100% do nível de aptidão física é alcançado com 25, 30 anos. Depois dessa idade, você começa a cair gradativamente no decorrer do envelhecimento, bem agudamente depois dos 60 anos. Vale lembrar que todos vão perder massa muscular independente do nível de aptidão física do sujeito”, explica.

Correia acrescenta que os idosos fisicamente ativos têm uma capacidade maior, o equivalente a uma pessoa 20 anos mais nova. Ou seja, um idoso de 70 anos fisicamente ativo pode ser comparado com uma pessoa sedentária de 50 anos. “Então é indispensável a prática de atividade física para o idoso. Não só a musculação, mas outras atividades”.

Apesar dessa queda de aptidão física que acontece com todo mundo, o profissional explica o porque alguns idosos aparentemente são mais saudáveis do que outros. Ele diz que diversos fatores devem ser observados.

“Devemos considerar diversos fatores, o estilo de vida saudável é uma das variáveis. Temos a genética, fatores de riscos, presença de doenças. Quanto mais se vive, maior a probabilidade de desenvolver alguma doença. Estudos mostram que 15% à 20% de idosos com 60 anos não têm alguma doença. Por isso, aparentam ter mais disposição”, aponta.

A entrevista completa pode ser conferida no Portal Tribuna no youtube e no site Tribunahoje.com.

Fonte: Tribuna Independente / Lucas França

Comentários

MAIS NO TH