Saúde

11 de março de 2018 15:46

Secretaria promove atendimento odontológico para crianças com microcefalia

Atendimento é realizado às sextas-feiras à tarde, no Módulo Odontológico Senador Rui Palmeira, no Vergel do Lago

↑ (Foto: Ascom SMS / Ilustração)

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Maceió, por meio da Coordenação de Saúde Bucal, realiza semanalmente atendimentos odontológicos para crianças com microcefalia, assistidas pelo Grupo Ciranda do Cuidado. Com objetivo de ofertar um serviço de promoção à saúde e prevenção de doença, o atendimento surgiu a partir da necessidade da oferta desse serviço de referência e ao tratamento seguro, além do interesse das mães em obter mais informações a respeito da saúde bucal. O atendimento é realizado às sextas-feiras à tarde, no Módulo Odontológico Senador Rui Palmeira, no Vergel do Lago.

De acordo com a dentista responsável pelo atendimento, Ana Lídia Cota, o primeiro contato com as crianças foi a partir de um convite da SMS, mais especificamente do Grupo Ciranda do Cuidado, para ministrar uma palestra educativa e preventiva sobre Saúde Bucal, realizada em fevereiro de 2017. Na oportunidade, foi identificado o interesse das mães em conhecer e ter mais informações a respeito da saúde bucal.

“A literatura de evidências científicas aponta que esse grupo de crianças com necessidades especiais, mais especificamente a microcefalia, tem uma tendência de desenvolver alguma alteração na cavidade bucal, com pretensão a maior risco de ter cárie, doenças na gengiva, uma oclusão, maxila de minuta, podendo ter ainda problemas na articulação e flacidez na musculatura”, explicou a dentista.

A gerente de Saúde Bucal da SMS, Thaysa Gatto, explicou que a iniciativa do atendimento dessas crianças partiu de uma solicitação da própria Ana Lídia para acompanhar essas crianças e auxiliar na prevenção de cárie, separando um dia de sua agenda para atender exclusivamente as crianças atendidas pelo grupo.

O atendimento é agendado pelo Grupo Ciranda do Cuidado, a partir da necessidade de cada criança, conforme diagnóstico realizado pela dentista, e tem como objetivo acompanhar e interceptar alguma alteração o mais precoce possível, a fim de uma prevenção imediata. Esse acompanhamento é realizado desde o surgimento dos primeiros dentes na boca, até a presença de alguma alteração e/ou anomalia, ou mesmo a presença de uma cárie dentária.

Segundo Ana Lídia, o acompanhamento auxilia na qualidade de vida das crianças e também da família, pois essa orientação faz com que os pacientes melhorem a alimentação e, assim, possa evitar alguma doença que venha a surgir. Mensalmente, são atendidas 24 crianças, todas entre um e dois anos e meio de idade.

O tratamento é realizado a partir do acolhimento da família, com o fortalecimento do vínculo com o profissional. A dentista explica que esse engajamento da família é necessário, pois o paciente não tem autonomia para realizar seus cuidados. A partir daí, é realizado o exame inicial para identificação das necessidades, para depois ser feita a profilaxia, limpeza e caso seja necessário, aplicação utópica de flúor por meio de verniz.

Algumas crianças já nascem com uma estrutura mais fragilizada e precisam fazer um tratamento restaurador, como é o caso da Sarah. “Foi a partir do primeiro atendimento que a Ana explicou para a gente que a Sarah tinha pré disposição à cárie e alguns dentinhos dela já estavam nascendo furados, prejudicados. Ela foi identificada com cárie de leite”, explicou o pai, Bruno Silvestre.

Bruno contou que o primeiro contato com a dentista foi através da palestra sobre Saúde Bucal e que na oportunidade, pôde sanar algumas dúvidas sobre higiene bucal e alimentação, e que o tratamento da Sarah começou a partir desse atendimento. “Começamos um tratamento com flúor para fortalecer os dentes e continuamos o tratamento para restaurar os dentes que estavam danificados. A Sarah tinha muita dificuldade de mastigar antes do tratamento e a alimentação dela mudou muito após isso, hoje ela se come muito bem”, acrescentou.

Os pais contaram que a microcefalia da Sarah foi descoberta após o parto e que até então eles nem desconfiavam. Embora o caso dela seja um dos primeiros casos identificados de Maceió e que ela tenha nascido durante o surto do Zika Vírus, em 2016, seu caso foi comprovado como causa genética. Eles explicaram que receberam todo apoio da SMS, na realização da tomografia, no tratamento na Associação Pestalozzi de Maceió e com o Grupo Ciranda do Cuidado.

A mãe da Sarah, Mabelly Silvestre, espera que com esse acompanhamento com a Ana Lídia, que já acontece há seis meses, ela tenha uma qualidade de vida melhor. Ela contou que a dentista sempre se mostrou predisposta a atender e sempre foi muito carinhosa. E aconselha que os pais devem se preocupar com a saúde bucal, não só em crianças que tenham alguma alteração neurológica, pois como não falam, é difícil para os pais identificar algum problema.

Grande parte das crianças tem apresentado um atraso no crescimento dos dentes, por isso, o próximo passo é conseguir um convênio com instituições parceiras, embora já se tenha uma parceria com a equipe técnica da SMS e um grupo de pesquisa do Cesmac, para que possam ser realizadas radiografias a fim de identificar o motivo do atraso desses dentes.

A expectativa é que esse atendimento possa mudar um pouco a história e a perspectiva em relação à saúde bucal dessas crianças, embora só seja possível com uma visão holística, pois cada novo caso que aparece tem suas particularidades. Cota ressaltou que é preciso analisar cada atendimento pelo ambiente e contexto diferenciado, os meios em que as famílias vivem, suas limitações e as propostas terapêuticas.

Grupo Ciranda do Cuidado

Criado em 2016, o grupo “Ciranda do Cuidado”, é uma iniciativa de profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que perceberam um aumento na demanda de mães de bebês com microcefalia e gestantes, em busca de orientação sobre a doença e os perigos das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, principalmente o Zika Vírus.

O grupo realiza reuniões mensais no auditório da SMS, sempre às primeiras terças-feiras. Ele é organizado pela Coordenação de Saúde da Criança, Programa Saúde da Família (PSF), Atenção Básica (AT) e Coordenação do Programa de Atenção à Pessoa com Deficiência (PAPD). E tem como objetivo, fornecer orientação sobre cuidados, direitos e suporte médico e psicológico para lidar com bebês com microcefalia, estimulando seu desenvolvimento para a melhoria da qualidade de vida dessas crianças.

Em caso de novas confirmações da microcefalia, o grupo Ciranda do Cuidado entra em contato com os responsáveis pelas crianças e são convidadas a comparecer a SMS para realizar uma entrevista e preencher um formulário. Na oportunidade, é preciso trazer os documentos do bebê, da mãe e todos os exames realizados pela criança, para que a partir daí, inicie o acompanhamento. Atualmente, são atendidas, aproximadamente, 55 crianças com microcefalia e 14 com outras alterações neurológicas.

Fonte: Tribuna Hoje com Secom Maceió

Comentários

MAIS NO TH