Saúde

28 de fevereiro de 2018 16:36

Projeto Samu nas Escolas passa a contar com 66 novos acadêmicos

Processo de seleção contou com 308 universitários inscritos para participar das ações em 2018

↑ Samu nas Escolas visa orientar estudantes para reduzir número de trotes (Foto: Carla Cleto / Assessoria da Secretaria de Estado da Saúde)

Mostrar para crianças e adolescentes a importância do trabalho desenvolvido pelo Serviço de Atendimento Móvel Urgência (Samu) de Alagoas. Essa será a missão dos 66 novos acadêmicos selecionados para participar do Projeto Samu nas Escolas, durante o ano de 2018. Ao longo do processo de seleção, participaram 308 alunos dos cursos de Medicina, Enfermagem e Serviço Social.

Ao longo do primeiro semestre deste ano, os acadêmicos passarão por 18 instituições de ensino – escolas municipais, estaduais ou particulares – conversando com os jovens sobre o funcionamento dos serviços do Samu. Também durante a ação, eles irão alertar sobre os prejuízos que os trotes podem causar. A primeira ação acontece na sexta-feira (9), a partir das 8h, no colégio Santíssimo Senhor, no bairro José Tenório, em Maceió.

Segundo Ana Tojal, coordenadora do Samu nas Escolas, os novos integrantes passarão por uma rápida capacitação, no sábado (3), para aprender como é a dinâmica do projeto de extensão, que acontece em parceira com a Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Eles ainda serão auxiliados por oito acadêmicos, que possuem a experiência de edições passadas no projeto.

“Os universitários que estão chegando ao projeto devem passar, para as crianças e adolescentes, as orientações de maneira lúdica, utilizando encenações, brincadeiras e jogos. E assim, por meio dessa interação com o público, queremos que eles assimilem, facilmente, as informações que são passadas”, afirmou Ana Tojal.

Nas ações, os alunos também aprendem algumas noções de primeiros socorros, que devem ser utilizados em situações com vítimas de choque elétrico, quedas, engasgos, queimadura e desmaios. Para o major Dárbio Alvim, supervisor do Samu, o número de inscrições registradas este ano, mostra a importância da instituição e a vontade desses estudantes em contribuir com o Samu.

“Esse projeto tem se mostrado extremamente importante para o Samu, porque conseguimos conscientizar as crianças e adolescentes, que é o principal grupo que passa trotes para o 192. O Samu nas Escolas ainda vai além, ao conseguir com que esses jovens consigam reproduzir essas informações de forma correta dentro de casa, na vizinhança e com outros amigos. É assim que iremos mudar a atual realidade, que mostra um grande número de trotes”, destacou o supervisor do Samu, ao ressaltar que, em 2017, de todas as ligações recebidas pelo Samu Alagoas, 67% foram trotes.

Causa Nobre

Umas das selecionadas para participar do Samu nas Escolas foi a acadêmica do 4º período de Medicina da Ufal, Alana Oliveira Francelino, 21 anos. Ela ressaltou que ficou interessada em participar do projeto de extensão após tomar conhecimento da quantidade de trotes passados para o número 192.

“O que me chamou a atenção para fazer parte do Samu nas Escolas foi o fato do trabalho desenvolvido ser por uma causa nobre: reduzir os trotes recebidos diariamente. Eu espero conseguir conscientizar os pequenos sobre as consequências desse tipo de ligação, alertando que isso pode tirar o socorro de uma pessoa que está precisando de verdade”, destacou a acadêmica.

As ações do projeto acontecem todas as sextas-feiras, nos períodos da manhã e da tarde. As instituições que tiverem interesse em receber a equipe do Samu nas Escolas, devem entrar em contato com o Serviço Social do Samu Maceió, por meio do telefone (82) 3315- 1165.

Fonte: Assessoria da Secretaria de Estado da Saúde / Texto: João Victor Barroso

Comentários

MAIS NO TH