Saúde

14 de fevereiro de 2018 13:44

Fuja da descamação da pele após exposição ao sol

O dano causado é decorrente de descuidos no momento da exposição solar, como reforça a especialista

Os dias quentes de verão são atrativos para curtir a praia ou a piscina e conseguir o desejado bronzeado. É preciso, no entanto, ter cuidados com o sol para evitar a descamação da pele. A dermatologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Marcia Grieco, explica que isso acontece sempre que a pele é lesionada.

O dano causado é decorrente de descuidos no momento da exposição solar, como reforça a especialista. “Quando tomamos sol em horário indevido, entre às 10h00 e 16h00, e sem proteção adequada, ocorre o que chamamos de queimadura solar, ou seja, lesão da epiderme e derme pelo calor intenso, seguida das descamações.”

Para quem adora tirar a pele descamada, Marcia Grieco faz um alerta, pois esta atitude aumenta os riscos de infecção. “A pele nunca deve ser arrancada, assim como as bolhas também não podem ser perfuradas. Estes procedimentos aumentam as chances de infecção secundária por bactérias, além de ocasionar cicatrizes e manchas escuras”, reforça a dermatologista.

Alguns sinais ajudam a detectar a queimadura, que é classificada em dois estágios: superficial e avançado. O primeiro apresenta vermelhidão, inchaço, dor ou queimação. Já o nível mais grave caracteriza-se pelo surgimento de bolhas e sintomas de insolação.

“Em um estágio mais avançado, além das bolhas na pele, dores de cabeça, febre, tremores e calafrios e desidratação podem surgir, determinando a insolação. Neste caso, é necessária a internação e uso de medicação”, complementa a médica.

Para aliviar os sintomas, a hidratação é o fator principal. Por isso, é importante a ingestão de líquido e a aplicação de hidratantes neutros no corpo. Adicionada a estas primeiras ações, o uso de água termal em compressas e loções calmantes de calamina e pasta d’água são recomendados também pela dermatologista.

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH