Saúde

14 de novembro de 2017 07:43

Câncer de próstata: mais de 500 novos casos em Alagoas

Só na Santa Casa de Misericórdia 5.772 pacientes estão em tratamento

↑ Urologista Umberto Montoro explica que o câncer de próstata tem alta incidência e que é preciso reforçar a prevenção (Foto: Assessoria)

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que até o fim deste ano 560 novos casos de câncer de próstata serão contabilizados em Alagoas. Destes, 210, na capital Maceió. Um dos serviços de atendimento do Estado, o Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) da Santa Casa de Misericórdia de Maceió tem atualmente 5.772 pacientes em tratamento.

O câncer de próstata é o quarto mais comum entre os homens e também o segundo mais letal. De acordo com o Inca, o país registra uma morte a cada 40 minutos em decorrência deste tipo de câncer. Em 2015, foram 14.484 mortes em todo o país. A estimativa é que o Brasil registre mais 61.200 novos casos no biênio.

No mês dedicado à conscientização em relação à saúde do homem, o urologista Humberto Montoro reforça a necessidade da prevenção e do diagnóstico precoce, que é decisivo no sucesso do tratamento. Segundo o médico, 20% dos casos são identificados em níveis avançados.

“É o segundo câncer nos homens, tirando o câncer de pele, mais frequente. Um diagnóstico a cada sete minutos e uma morte a cada 40 minutos. Em torno de 20% dos pacientes chegam em fase muito avançada, ou seja, é muito difícil conseguir curar o indivíduo. O câncer tem cura, desde que você pegue em fase inicial, e nessa fase inicial não dá sintoma e é aí que mora o perigo”, diz Montoro.

Daí a importância de um diagnóstico precoce, diz o médico. Quando os sintomas começam a surgir é sinal de que o câncer está em fase avançada. O ideal é que o diagnóstico ocorra pela prevenção.

“O câncer de próstata não é tão agressivo como o de pâncreas, por exemplo, que pode matar em seis meses, mas o ideal é que identifique quando ele está restrito à próstata, onde uma cirurgia tende a curar. Mesmo avançado a gente consegue dar um suporte e o indivíduo vive relativamente bem, é um câncer que responde muito bem aos tratamentos. Mas se o homem começar a sentir alguma coisa, vai chegar tarde”.

Montoro esclarece ainda que o exame de dosagem do antígeno prostático específico (PSA) é insuficiente para detectar a doença em alguns casos. A recomendação é que a partir dos 50 anos o homem realize o exame de toque retal uma vez por ano.

A hereditariedade é um fator de risco, acrescenta o urologista. “A partir dos 50 anos todo homem deve fazer e, se tem histórico familiar com um caso, que a gente chama de grupo de risco, tem duas vezes mais chances de ter. Se tiver dois casos na família, tem seis vezes mais chances, nestes casos a recomendação é começar aos 45 anos. Em indivíduos de raça negra a apresentação é maior e a recomendação é começar cedo”, explica.

“O problema é que o câncer de próstata tem uma incidência alta, por isso deve-se fazer exames preventivos. Os hábitos alimentares também são prejudiciais neste sentido. Dietas com muita gordura são prejudiciais. A gordura é ruim.”

Médico afirma que homens são resistentes à prevenção

Segundo o médico Marcos Martins, coordenador do Setor de Saúde do Homem da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), o preconceito ainda é um entrave para o diagnóstico precoce do câncer de próstata.

“Existe uma cultura no sexo masculino em todo o Brasil de não procurar assistência médica e adotar hábitos saudáveis com a mesma frequência das mulheres”, diz o coordenador.

Martins reforça ainda que identificar a doença cedo é fator chave para o sucesso do tratamento.

“Com o diagnóstico precoce as chances de recuperação aumentam, assim como a diminuição da possibilidade de sequelas”, aponta ainda Marcos Martins.

CAMPANHA

A Sesau realizou na última sexta-feira (10) e ontem (13) palestras para a conscientização sobre a importância dos cuidados contra o câncer de próstata, a ação faz parte da campanha Novembro Azul.

Com realização de palestras na campanha Novembro Azul, Sesau promove conscientização sobre necessidade da prevenção (Foto: Olival Santos/Ascom Sesau)

Na sexta-feira, pacientes e funcionários do Hospital Psiquiátrico Portugal Ramalho receberam os especialistas da Sesau. Já na segunda, a ação esteve concentrada no Centro Médico do quartel da Policia Militar. A palestra foi ministrada pelo médico urologista Alexandre Figueiroa, destacando a necessidade dos cuidados preventivos. (Com assessoria)

Fonte: Tribuna Independente / Evellyn Pimentel

Comentários

MAIS NO TH