Saúde

28 de março de 2017 12:31

Brasileiro comemora transplante do coração e vira embaixador da causa

Campanha pretende viralizar um vídeo nas redes sociais até chegar ao ex-Beatles, Paul McCartney, pedindo apoio a doação de ógão

José Roberto, de 37 anos, apelido Keke, nascido e criado em Santos – SP, aos 20 anos desmaiou enquanto jogava bola. Achou que tinha se alimentado mal, fumava, tinha costume de dormir mal, ia para as baladas e ingeria bebida alcoolica. Procurou o médico, fez alguns exames e nada foi diagnosticado. Três semanas depois do ocorrido ele voltou a jogar bola e desmaiou novamente. Dessa vez machucou o rosto. Ficou uma semana internado e foi diagnosticado com um problema no coração. Passou por 22 cirurgias em 15 anos. Entrou para a fila do transplante e era o número 89. Teve que passar por mais 4 cirurgias em 2 meses. Em fevereiro do ano passado não saiu mais do hospital e entrou na fila de prioridade de transplante. Apareceram dois doadores…mas não eram compatíveis. Ele achou que não tinha mais saída. Foi quando no dia 12 abril recebeu a notícia que ia ganhar um coração. Sua vida mudou, ou melhor, Keke voltou a viver.

Para comemorar este momento tão importante em sua vida, Keke abraçou a causa junto com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) e se uniram para uma campanha. A ideia consiste em viralizar um vídeo via redes sociais, alcançando o maior número de pessoas até chegar ao ex-Beatles, Paul McCartney. No vídeo, Keke faz o apelo ao rockeiro, pedindo que ele cante a música invertida “Die and Let Live”, em apoio a doação.

A ação foi lançada ao mesmo tempo em que foi divulgado o relatório anual da ABTO com estatísticas sobre a doação de órgãos no Brasil. O levantamento apontou que hoje, no país, existem mais de 30 mil pessoas na fila à espera de um transplante e outras centenas de milhares estão espalhadas por todo o mundo. De 2015 para 2016, o Brasil obteve aumento de 3,5% nas doações, atingindo 14,6 doadores por milhão de população (pmp). Embora este resultado seja favorável, houve leve redução na recusa familiar no país, o que mantém o índice de rejeição ainda alto. Atualmente, 43% das famílias brasileiras entrevistadas não autorizam a doação dos órgãos (em 2015, o índice era de 44%).
A corrente lançada pela ABTO chama atenção para os números no Brasil, mas principalmente para a falta de cultura da doação. O assunto ainda é tabu para muitas pessoas e esse estigma precisa ser quebrado. A campanha foi criada pela Leo Burnett Tailor Made.
Incentive essa campanha você também. Assista ao filme e compartilhe em suas redes. Seja um doador de órgãos!
https://www.facebook.com/keke.nyg/posts/1452916201393555

#Sing4LifePaul #DieAndLetLive #ABTO
SOBRE A ABTO
A Associação Brasileira de Transplante de órgãos é uma sociedade médica, civil e sem fim lucrativo, que tem por finalidade estimular o desenvolvimento de todas as atividades relacionadas com os transplantes de órgãos no Brasil e congregar os profissionais e as entidades envolvidas com ou interessadas em transplante de órgãos. A instituição contribui também para o estabelecimento de normas, criação e aperfeiçoamento de legislação relacionada com transplante de órgãos, além de estimular a criação bancos de órgãos e tecidos, serviços de identificação de receptores.

 

Fonte: Assessoria

Comentários

MAIS NO TH