Política

12 de maio de 2021 08:10

Jair Bolsonaro vem a Maceió pela 1ª vez

↑ Cabo Bebeto diz estar ansioso para primeira visita de Jair Bolsonaro a Maceió (Foto: Ascom/ALE)

A próxima quinta-feira (13) será marcada pela vinda do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a Maceió. Com chegada prevista para às 8h30 no Aeroporto Zumbi dos Palmares, ele se dirige ao Conjunto Oiticica I, em Benedito Bentes. De lá, segue para o viaduto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e depois, num helicóptero, vai a São José da Tapera, onde deve chegar por volta da 14h.

Um dos principais apoiadores de Jair Bolsonaro em Alagoas, o deputado estadual Cabo Bebeto (PTC) representará a Assembleia Legislativa Estadual (ALE) na recepção do presidente da República.

“A expectativa é que seja um estudo de gente na rua. É a primeira vez dele aqui e está todo mundo muito ansioso. Acredito que todos os locais haverá uma presença grande de pessoas”, comenta o parlamentar. “Eu vou representando a Assembleia porque o presidente Marcelo Victor [Solidariedade] não poderá ir. Ele tem uma agenda no interior com o governador [Renan Filho, MDB], mas o prefeito de Maceió JHC [PSB] confirmou presença. Dos colegas parlamentares, ouvi apenas a Angela Garrote [PP] dizendo que iria”, completa.

O deputado Cabo Bebeto protocolou nesta terça (11) um projeto para conceder o Título de Cidadão Honorário de Alagoas a Jair Bolsonaro.

A reportagem contatou Rilda Alves, presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT) em Alagoas, para saber se há algum tipo de manifestação sendo preparada por causa da visita do presidente a Alagoas, mas até o fechamento desta edição não houve resposta.

Se não se sabe se haverá manifestações contrárias ao presidente, há nas redes sociais mobilização para seus apoiadores comparecerem aos locais a serem visitados.

ARTIGO

Em artigo publicado nesta terça no portal UOL, a cientista política Luciana Santana, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), afirma que após o senador Renan Calheiros (MDB) ter sido escolhido como relator da CPI da Pandemia no Senador, o presidente Jair Bolsonaro passou a atacar o parlamentar e seu filho, o governador Renan Filho.

“Em sua última live semanal, ocorrida no dia 06 de maio, Bolsonaro fez críticas aos trabalhos da CPI e enviou um recado direto para Renan Calheiros afirmando que teriam ocorrido desvios de recursos em Alagoas, estado governado por seu filho, Renan Filho (MDB). Pediu ainda que o governador fosse investigado pela Comissão: ‘Sabe o que eu diria para o senador? Prezado senador, frase não mata ninguém. O que mata é desvio de recurso público, que seu estado desviou. Vamos investigar seu filho que a gente resolve o problema. Desvio mata. Frase não mata’”, relata a cientista política.

Para ela, a postura do presidente da República tem por trás a preocupação com sua reeleição em 2022.

“E qual a alternativa do governo? Desviar as atenções sobre o seu governo e direcioná-las para os seus algozes já escolhidos desde o início da pandemia, os governadores. E os senadores bolsonaristas tem se dedicado a isso. Não é à toa que o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) tem apresentado pedidos para que governadores sejam investigados na CPI pela aquisição frustrada de respiradores pelo Consórcio Nordeste. E, como seria de esperar, desafetos políticos locais de Calheiros tem se esforçado para ajudar nesta empreitada com o objetivo de respingar no governador alagoano”, diz. “Dividir a responsabilidade e os custos da trágica condução da pandemia com os entes federados seria o ideal, pois alimentaria as narrativas do Presidente e de seus apoiadores e reduziria possíveis danos a sua eleição”, completa Luciana Santana.

Comentários

MAIS NO TH