Política

25 de fevereiro de 2021 09:29

Renan Filho sinaliza retorno de regras mais rígidas

Governador pretende frear o contágio da Covid-19 e evitar alta ocupação nos leitos

↑ Renan Filho (Foto: Assessoria)

O governador Renan Filho (MDB), sinalizou durante assinatura da ordem de serviço para as obras de construção da Base Descentralizada do Samu e do Corpo de Bombeiros ocorrida na quarta-feira (24), que o Estado pode retornar às regras mais rígidas por causa do contágio da Covid-19 em Alagoas.

Ele fez um apelo aos alagoanos que colaborem com as medidas sanitárias e de distanciamento e reforçou que tem lutado muito para não fechar mais os setores produtivos do estado. “Mas, é fundamental que empresários, que o cidadão alagoano compreenda que a gente não pode ver superlotar os hospitais. Se a taxa de ocupação subir muito, não nos restará outras alternativas. Estamos tendo muito menos mortes do que tivemos na primeira onda, mas tivemos na semana passada 70 mortes. Isso é muito significativo, são 10 mortes por dia”.

Renan Filho ressaltou, ainda, que o crescimento da doença é proporcional à quantidade de aglomerações. Ele pediu que os setores produtivos intensifiquem os esforços e na oportunidade destacou o fato do Supremo Tribunal Federal (STF) decidir que Estados e Municípios podem comprar e fornecer à população vacinas contra a Covid-19.

“Se tiver vacina à venda, nós vamos comprar. Vamos imunizar nosso povo com esforços financeiros próprios do caixa estadual alagoano. O estado está buscando fazer a sua parte, ampliando a rede hospitalar, mas o fundamental mesmo é que a gente compreenda que nessa pandemia o trabalho é coletivo. O cidadão faz a sua parte, a gente faz a nossa”.

O chefe do Executivo pontuou, ainda, que a situação no estado não é como a de Pernambuco, Rio Grande do Sul, Ceará, Bahia e Goiás, por exemplo, que estão com altas taxas de ocupação nos hospitais e já anunciaram medidas mais rígidas de isolamento social.

“Se os hospitais não tiverem mais condições de atender às pessoas, temos que reduzir o índice de adoecimento, e isso só é feito com isolamento, não tem outra regra. A gente precisa criar as condições em Alagoas para que isso não aconteça aqui também”.

Setor é favorável a continuar aberto

Em contato com a reportagem da Tribuna Independente, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL), ressaltou que desde o início, posiciona-se a favor da abertura do comércio e que a entidade reafirma a necessidade de conjugar os esforços para que os interesses sociais sejam preservados.

A reportagem repercutiu com os setores produtivos a sinalização do governador Renan Filho (MDB) em adotar medidas mais rígidas para frear o contágio da Covid-19 e a ocupação de leitos.

“Defendemos uma maior rigidez na fiscalização do cumprimento das medidas sanitárias preventivas para que não sejam necessárias novas restrições quanto ao funcionamento dos estabelecimentos comerciais”, destaca a Fecomércio.

Já a Associação Comercial de Maceió, destacou que tem acompanhado, desde o início, os desdobramentos das ações dos órgãos competentes que buscam o controle e redução dos impactos da pandemia e que neste momento em que a curva epidemiológica volta a apresentar uma preocupante elevação, a entidade se propõe a participar das reuniões que pretendem definir os próximos encaminhamentos, que impactam sobremaneira no setor produtivo, responsável pela empregabilidade e renda.

“O setor produtivo contribuiu decisivamente para manter a segurança sanitária em todo o Estado de Alagoas, durante este quase um ano de pandemia. Seguimos todas as decisões governamentais, continuamos honrando os tributos e, principalmente, protegendo os consumidores, funcionários e fornecedores”.

Fonte: Tribuna Independente / Carlos Victor Costa

Comentários

MAIS NO TH