Política

23 de fevereiro de 2021 10:26

Orçamento para 2021 ainda não foi autorizado por JHC

Câmara de Maceió não tem sequer as comissões instaladas para análise da peça orçamentária deste ano

↑ Prefeito JHC está com o orçamento para fazer uma análise e e Câmara aguarda peça para aprovar (Foto: Assessoria)

Maceió ainda continua sem orçamento em 2021. O valor estimado das despesas e receitas para executar as ações em Maceió em 2021 é de R$ 2.567.202.297.00. No entanto, o ritmo da aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA) quem dará é o próprio Executivo, uma vez que já recebeu a peça para fazer suas respectivas alterações. A informação é da Diretoria de Comunicação da Câmara Municipal de Maceió.

“Logo, como todo o Município aguarda o encaminhamento, após seu envio é que será possível saber qual o ritmo. Sendo assim, não é possível ter alguma projeção”.

A nova legislatura não tem sequer comissões montadas. Uma vez a peça orçamentária sendo encaminhada para a Casa é que será indicado um relator especial.

Quanto às emendas impositivas, cada vereador teve como adicionar pouco mais de R$ 500 mil. Porém, vale lembrar que como o orçamento foi discutido no ano passado, as emendas já foram adicionadas ao texto que já foi devolvido ao Executivo que queria moldá-lo às suas necessidades.

O líder do governo na Câmara, vereador Siderlane Mendonça (PSB), disse que os vereadores estão aguardando uma avaliação do Projeto de Lei (Lei Orçamentária Anual) por parte do Executivo.

“Pois no período ainda não tramitou nas comissões e nem foram avaliadas as emendas dos vereadores”.

A reportagem da Tribuna tentou contato com o prefeito de Maceió, JHC (PSB), através de sua assessoria, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Em recente entrevista à Tribuna Independente, o presidente da Câmara Municipal, vereador Galba Netto (MDB), disse que o fato do orçamento de 2021 ainda não ter sido aprovado não compromete as finanças de Maceió.

“Não será prejudicado, pois trabalhamos sempre considerando o orçamento de 2020, no sistema de 1/12 avos, tendo como base o ano que passou”.

GASTO MAIOR QUE A ARRECADAÇÃO

o maior desafio é o ajuste de contas, pois herdou um município com arrecadação menor que os gastos gerados. JHC pediu apoio aos vereadores para transformar a realidade da capital e anunciou que fará uma reforma administrativa e fiscal.

“Gastávamos mais do que arrecadávamos. Preciso que a casa do povo esteja apoiando os projetos do povo. Segundo o prefeito os problemas financeiros encontrados não lhe impediram de nos primeiros dias de trabalho avançar em algumas questões importantes para a população.

Presidindo aquela sessão, Galba Netto confirmou a necessidade da mesa atuar e consonância com os projetos e necessidades administrativas do município, uma vez que tem conhecimento dos desafios e dificuldades orçamentárias. Para ele, o mais importante é que haja uma compreensão da casa que muito mais significativo do que os desejos e sentimentos pessoais, é fundamental compreender que os palanques já estão desarmados.

Fonte: Tribuna Independente / Texto: Carlos Victor Costa

Comentários

MAIS NO TH