Política

15 de janeiro de 2021 09:11

Novos secretários avaliam o turismo no Litoral Norte

Falta de rubrica orçamentária municipal para o setor e efeitos da pandemia da Covid-19 são os maiores desafios

↑ Litoral Norte atrai turistas do país e estrangeiros, mas os municípios têm dificuldades de controlar setor (Foto: Divulgação)

O Litoral Norte de Alagoas tem pelo menos dois grandes destinos turísticos consolidados, Maragogi, em primeiro lugar e São Miguel dos Milagres, logo em seguida. Ambos, no entanto, ainda apresentam enormes deficiências no que se refere à infraestrutura de serviços para o turismo, como o saneamento básico e a questão da água, que de certa forma não dependem exclusivamente de investimentos municipais. Outros destinos, como Porto de Pedras, Japaratinga, Passo de Camaragibe, Barra de Santo Antônio e Paripueira, apesar de serem destinos turísticos com grande potencial, ainda carecem da mesma infraestrutura e de mais investimentos privados no setor hoteleiro e de serviços de restaurantes.

Então os novos secretários municipais de turismo, que assumiram no dia 4 de janeiro, terão pela frente enormes desafios em suas respectivas pastas. Antônio Moura, em Paripueira; Sérgio, na Barra de Santo Antônio; Ruy Câmara, no Passo de Camaragibe; Ana Paula de Moura, em São Miguel dos Milagres; Zélia Cavalcante, em Porto de Pedras; Thereza Dantas, em Japaratinga e Diego Vasconcelos, em Maragogi, querem buscar um lugar ao sol para seus municípios.

Muitas dessas secretarias têm sequer verba orçamentária, dependendo exclusivamente do gabinete do prefeito para qualquer ação. Isso dificulta enormemente ações tipo divulgação do destino ou mesmo ações mais simples.

Em recente artigo, Francisco Rafael de Almeida, Presidente da GramadoTur, fala da importância de planejar e gerir o turismo em um grande destino para os próximos anos.“Ao falarmos em estratégia de um destino turístico, falamos também em gestão de um produto. Não há um padrão. Diante desse grau de maturidade, que só se pode aferir por coleta e análise de dados, se definem as melhores políticas. Não devemos confundir a estratégia de longo prazo de um destino – o plano diretor de turismo – com estratégias de governo para mandatos de 4 anos. A estratégia do destino deve ser superior, deve ter avaliações periódicas e deve envolver toda a governança do destino – pública e privada. A estratégia de governo deve ser dar continuidade aos caminhos traçados pelo plano diretor de turismo da forma mais eficiente possível. A coerência com os demais planos diretores, como o de desenvolvimento integrado, o de mobilidade urbana, o de cultura, entre outros, deve ser observada´´.

Antônio Moura, novo secretário de turismo de Paripueira, que vem de uma longa experiência em administração pública, acredita que “Os desafios para o setor são muitos, tendo em vista a necessidade de uma retomada gradativa e muito cautelosa das atividades empresariais, projetos diversos e ações do poder público, todos prejudicados pela pandemia da COVID 19. Para Alagoas, e mais especificamente para o litoral norte eu entendo que as perspectivas são muito boas para o período pós-pandemia, como já foi anunciado por grandes players do mercado turístico, tendo em vista a previsão de aquecimento do mercado doméstico e a procura por roteiros dentro do Brasil. A melhoria da infraestrutura também será de grande valia para aumentar e qualificar o fluxo de turistas para a região norte de Alagoas, consolidando o nosso lindíssimo litoral como um dos melhores destinos do Brasil, tanto para brasileiros de outras regiões, como também para estrangeiros´´.

Fonte: Tribuna Independente / Claudio Bulgarelli

Comentários

MAIS NO TH