Política

24 de setembro de 2020 08:25

Sinteal realiza carreata em Maceió

Trabalhadores da educação protestaram em Maceió por derrubada de veto de Jair Bolsonaro a rateio dos precatórios do Fundef

↑ Consuelo Correia cobrou dos parlamentares de Alagoas a derrubada do veto ao rateio do Fundef (Foto: Ascom Sinteal)

O Sinteal realizou ontem no “Dia Nacional de Luta em Defesa da Derrubada do Veto [ao art. 8º do PL 1.581]”, a “Carreata em Defesa do Fundef”, que contou com o apoio da Central Única dos Trabalhadores (CUT) em Alagoas, da  Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e da Frente Norte/Nordeste pela Educação.

O objetivo do ato foi ampliar o apoio à luta para derrubar o veto imposto por Jair Bolsonaro ao parágrafo único do art. 8º do PL 1.581, que prevê a destinação de 60% dos precatórios para pagamento aos professores ativos, inativos e pensionistas, na forma de abono, sem incorporação salarial.

A carreata teve início em frente à sede do Tribunal de Contas da União (TCU) em Alagoas, no bairro do Farol, e encerrou em frente à Câmara Municipal de Maceió, passando pelo Palácio República dos Palmares, sede do Governo do Estado; pelo Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), pela Secretaria Municipal de Economia e pela Prefeitura de Maceió, em Jaraguá.

Segundo a presidenta do Sinteal, Consuelo Correia, o veto de Jair Bolsonaro “quer ferir de morte a educação no Brasil e seus trabalhadores e trabalhadoras. O governo federal quer causar estragos no orçamento da educação, diminuindo em mais de R$ 1,1 bilhão os investimentos na educação básica”, discursou. “O rateio é direito conquistado em lei. São recursos de todos os trabalhadores e trabalhadoras da educação”, completou.

Representante da CNTE, Girlene Lázaro lembrou que em todo o país, sindicatos tentam sensibilizar suas bancadas no Congresso Nacional para derrubar o veto do presidente da República.

“A pressão democrática sobre os políticos será forte para a derrubada desse veto absurdo”, ressaltou a dirigente da CNTE.

Para a presidente CUT em Alagoas, Rilda Alves, “um país que não investe em educação não tem desenvolvimento nem história, e temos no poder um presidente que tem procurado destruir, todos os dias, e educação deste país” e “no momento em que uma luta histórica da educação pública, dos trabalhadores e dos sindicatos é conquistada, este presidente vai e veta! Com que autoridade moral ele pode fazer isto?! Pedimos, então, o apoio de todos os deputados federais e senadores da bancada de Alagoas”.

Como representante da Frente Norte/Nordeste pela Educação, o também diretor do Sinteal, Edilton Dantas, reafirmou que a carreata teve o objetivo de “denunciar o ataque perverso cometido pelo governo Bolsonaro contra a educação pública e seus trabalhadores”, afirmou. “Bolsonaro não quer permitir que os trabalhadores da educação recebam os recursos dos precatórios do Fundef, dinheiro que é da educação e do magistério e tem que ser garantido, e que, muitos, já estão nas contas dos municípios”.

PRÓXIMA CARREATA

Na próxima segunda-feira (28), às 9h e em Arapiraca, outra “Carreta em Defesa do Fundef” será realizada, com saída ao lado do Ginásio João Paulo II.

Fonte: Tribuna Independente

Comentários

MAIS NO TH