Política

28 de abril de 2020 09:28

Prefeito filho de deputada  e vereador por Palmeira/AL trocam farpas em churrascaria

Agora em 2020, a política em Palmeira dos Índios dá sinais que começou a pegar fogo, sobretudo quando se trata pela busca do poder

↑ Júnior Miranda e Arlindo Garrote, vivenciaram um novo capítulo nesse ano de eleição

Relatos afirmam que o prefeito de Estrela de Alagoas/AL, Arlindo Garrote está sendo acusado de protagonizar uma cena desagradável no cenário político do interior alagoano. Pois o filho da deputada Ângela Garrote,  tido por muitos como  uma espécie de “coronel” do Agreste, encurralou o vereador por Palmeira dos Índios/AL, Júnior Miranda na última sexta-feira na Churrascaria Labaredas; lá em Palmeira; pelo fato do parlamentar apoiar o prefeito Júlio Cezar. Testemunhas sustentam que foram contundentes o recado do prefeito ao vereador. “É o pagamento que recebi pelo que eu ajudei na campanha deles” disse na ocasião Júnior Miranda.

Conforme informações, o jovem Arlindo estava visivelmente desequilibrado, pois tudo porque não teria gostado nem um pouco do discurso feito na Câmara Municipal, dois dias antes, pelo vereador Júnior Miranda defendendo o prefeito Júlio Cezar. “Por pouco não aconteceu uma tragédia porque os ânimos ficaram acirrados demais e quem estava lá teve medo porque esse povo dos Garrote’s é violento e só anda com capangas armados” revelou uma testemunha que pediu reserva temendo represálias.

Agora em 2020, a política em Palmeira dos Índios dá sinais que começou a pegar fogo, sobretudo quando se trata da busca pelo poder, cuja deputada Ângela Garrote entrou na briga para comandar aquela Prefeitura, onde lá ela já tem um filho que é vereador. “E olhe que o eleitor palmeirense é observador e crítico, além de abominar todo e qualquer ato de violência, principalmente em ano de campanha eleitoral quando os nervos ficam à flor da pele” comentou o informante; dando conta que a essa altura, Júnior Miranda está sendo aconselhado, a fim de procurar as autoridades policiais e judiciárias para pedir garantias de vida.

Fonte: Redação

Comentários

MAIS NO TH